Bunge Destaca a Importância da Atuação mais Sustentável no Campo

A companhia direciona seu foco para uma produção mais equilibrada, com responsabilidade social e o máximo de eficiência na utilização dos recursos naturais disponíveis

São Paulo, 05 de maio de 2010. A Bunge, que está presente no Tocantins há mais de 10 anos, mais uma vez participa da Agrotins, maior feira de tecnologia agropecuária e portal do agronegócio da região Norte do País, agora em sua 10º edição. Fertilizantes, agribusiness (originação de grãos) e açúcar e bioenergia são as três frentes de atuação da empresa no Estado, que estão sendo focados pela empresa durante os quatro dias do evento. A Agrotins começou hoje a vai até 8 de maio, no Centro Agrotecnológico de Palmas.

O histórico da participação da empresa no estado data de 1994, quando a Bunge passou a operar sua unidade de originação de grãos. Em 2000, começou a atuar na área de fertilizantes e em 2008, em parceria com a Itochu, uma das principais tradings globais do Japão, oficializou a joint venture para produção de açúcar e álcool no Tocantins.  A companhia está construindo uma nova usina para produção de açúcar, álcool combustível e energia elétrica, a partir do processamento industrial da cana de açúcar.

A unidade, com início de operação previsto para 2010, terá capacidade de processamento inicial é de 1,4 milhão de toneladas de cana por ano, podendo atingir até 4,4 milhões/ano. A unidade contribuirá para o fornecimento de energia elétrica do estado do Tocantins e pequena parte desta produção será utilizada internamente para operar a usina

Práticas de responsabilidade socioambiental

Em relação ao tema central "Manejo e Uso Sustentável da Água e do Solo na Agropecuária", a empresa vai destacar suas ações, para tornar a produção agrícola no Brasil mais sustentável e garantir maior responsabilidade socioambiental no campo.  Também tem se empenhado para aumentar a eficiência de suas práticas de responsabilidade socioambiental, aliadas à governança corporativa.

Segundo o diretor de Assuntos Corporativos e Sustentabilidade, Adalgiso Telles, a Bunge mensura todas as suas práticas de desenvolvimento sustentável e realiza todos os anos uma prestação pública de suas atividades pelo padrão GRI-G3 (o mais aceito e respeitado internacionalmente) onde se qualifica como a única empresa do setor de agronegócio no mundo no nível mais elevado de classificação, o A+.

"O compromisso mundial da Bunge é com a melhoria contínua da gestão sustentável em todos os níveis, negócios e locais da empresa", informa o executivo, para quem essa atuação é apoiada por uma plataforma, que associa práticas de relacionamento com seus diversos públicos à criação de valor aos negócios da empresa. Essa plataforma é amparada por quatro pilares: agricultura sustentável, efeitos climáticos, dietas saudáveis e disposição de resíduos.

No pilar agricultura sustentável, a Bunge estabelece acordos prévios com os agricultores, em relação ao respeito à legislação ambiental e trabalhista, que estão divididos em quatro etapas - conscientização para o cumprimento da legislação ambiental e trabalhista, além dos benefícios da agricultura sustentável; capacitação para utilização das melhores práticas; reconhecimento e premiação pelo uso de boas soluções e inovações; cobrança, por meio de sanções previstas em contrato para coibir desrespeitos à legislação.

É permanente a preocupação da Bunge em conscientizar os mais de 60 mil produtores rurais, com quem se relaciona diretamente, sobre a necessidade de manter áreas preservadas com vegetação natural em suas propriedades. Tem também o compromisso de não adquirir soja oriunda de novos desmatamentos do Bioma Amazônia, já que a empresa integra o Grupo de Trabalho da Soja (GTS), responsável pela iniciativa Moratória de soja na Amazônia.

Outra ação é o acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), no sentido de disseminar o sistema de integração da agricultura com a pecuária e a floresta, melhorando a sustentabilidade da produção nacional. Há também a publicação da cartilha ambiental didática, direcionada aos produtores rurais da região do Cerrado, em parceria com o Ministério do Meio Ambiente. O objetivo é promover o conhecimento do código ambiental, divulgar maneiras de se adequar à legislação e apontar as melhores práticas e tendências mercadológicas. Entre outras ações, há ainda o prêmio Destaque Bunge Agricultor Brasileiro, que premia produtores rurais que se destacam por ações de sustentabilidade.

Aprimorar a cadeia de alimentos e do agronegócio

No pilar Efeitos Climáticos, a Bunge identificou no clima uma de suas frentes de atuação e desenvolveu um inventário de emissões de gases de efeito estufa (GEE) para apoiar suas ações no mercado. A empresa já trabalha com 81% de fontes renováveis em sua matriz energética, além de gerar 20% de toda eletricidade que utiliza.

Em Dietas Saudáveis, a Bunge produz uma linha de produtos com foco na saudabilidade (Cyclus) e participa de iniciativas nacionais e internacionais para aprimorar a cadeia global de alimentos e do agronegócio. Um exemplo nacional é a IPAS - Iniciativa Pró-Alimento Sustentável criada em 2007 para promover a sustentabilidade nos sistemas agroindustriais brasileiros e no consumo de alimentos. No âmbito internacional, a empresa participa do suplemento setorial de indicadores de sustentabilidade do GRI, para gestão da sustentabilidade.

Em Gestão de Resíduos, as medidas adotadas pela Bunge abrangem desde o reuso de água, que já atinge o nível de 50% nas fábricas, e dos resíduos derivados das operações nas unidades, até cuidados na destinação de embalagens. Para isso, a empresa incentiva programas de reciclagem e de coleta seletiva, adota medidas de controle no descarte de lâmpadas, patrocina a reciclagem de óleo comestível (programa Soya Recicla). Além disso, foi a primeira a lançar uma embalagem biodegradável para a margarina Cyclus Nutrycell.

Diálogo e respeito ao ser humano

Para a Bunge, o caminho para a sustentabilidade é o diálogo. Por meio de painéis de stakeholders, as opiniões dos seus diversos públicos, como colaboradores, clientes, fornecedores, ONG´s, instituições financeiras, entre outros, direcionam a companhia para uma produção mais equilibrada, com responsabilidade social e com o máximo de eficiência na utilização dos recursos disponíveis.

O capital humano constitui um elo vital na cadeia produtiva da Bunge, que se orienta pela conduta transparente no diálogo com colaboradores e pela governança. A companhia segue as normas internacionais de boas práticas trabalhistas, assegura a liberdade de associação e estimula o crescimento profissional. Com investimentos sistemáticos em projetos sociais, a  Bunge contribui para melhorar o nível de educação e a qualidade de vida nas comunidades onde atua. Em 2008, a Fundação Bunge trabalhou com mais de 800 voluntários, 14 mil estudantes e 80 escolas públicas, desenvolvendo programas educacionais, concedendo prêmios e atuando na preservação da memória.

A Bunge mantém investimentos expressivos em todos os seus setores de atuação e vem contribuindo de maneira substancial para o saldo positivo da balança comercial e para as divisas da economia nacional. Presente no Brasil desde 1905 é uma das principais empresas do agronegócio e uma das maiores exportadoras do País. Atua nos setores de fertilizantes, agronegócio, alimentos, ingredientes, açúcar e bioenergia.  Está em 16 estados de todas as regiões brasileiras, e possui hoje mais de 17 mil colaboradores e centenas de unidades, entre indústrias, centros de distribuição, silos e instalações portuárias.




DataNotícia
02/12/2019 BP e Bunge concluem a formação da joint venture BP Bunge Bioenergia no Brasil
27/11/2019 Verão de Soya tem novas maioneses e brinde exclusivo da marca
21/10/2019 Gradina tem participação especial no Mesa São Paulo 2019 e Chefs da Academia Bunge apresentam tendências da confeitaria e panificação
16/10/2019 Soya lança sua nova linha de maioneses e apresenta novo posicionamento
27/09/2019 Salada, a 1ª marca de óleo vegetal do Brasil, comemora 90 anos com novas embalagens
Veja mais notícias...