Empresas de Alimentos assumem a Responsabilidade de aperfeiçoar seus Relatórios de Sustentabilidade

Bunge, Green Mountain Coffee Roasters, Nestlé e Tyson Foods são as primeiras empresas a se comprometerem com o desenvolvimento de indicadores de sustentabilidade multi-stakeholders específicos para o setor, dentro do padrão GRI

São Paulo, 14 de fevereiro de 2008. Acompanhando a tendência global de aumento da consciência ambiental, aliada à crescente sensibilidade do consumidor sobre o tema, as empresas da cadeia de alimentos estão buscando comunicar, pró-ativamente, seu desempenho econômico e sócio-ambiental, para atender o constante aumento das expectativas.

A Global Reporting Initiative (GRI) respondeu à demanda de aumento na transparência na produção de alimentos, criando um grupo de trabalho que fornecerá indicadores específicos para a área, chamado Sector Supplement on Food Processing. Esse grupo terá um período para recebimento de comentários de toda sociedade, e depois irá complementar as diretrizes gerais desenvolvidas pela GRI, em seu padrão mais recente para relatório de sustentabilidade, a última geração de indicadores conhecida como G3.

Ao desenvolver os novos indicadores setoriais para GRI, o objetivo do grupo de trabalho é possibilitar que companhias e grupos de pessoas interessadas em seus produtos e serviços tenham melhor avaliação e entendimento dos progressos na área de sustentabilidade. Essa decisão parte do princípio que a boa avaliação conduz ao bom gerenciamento e é também um pré-requisito para a boa comunicação. 

"Nós acreditamos que um conjunto de indicadores abrangentes para o setor de alimentos vai possibilitar mais consistência e a relevância no processo de relatar sustentabilidade, além de aumentar nossa habilidade de trabalhar em áreas de redução da fome, qualidade de produto, proteção ambiental, bem-estar dos funcionários e apoio à comunidade", diz o Presidente e CEO da Tyson Foods, Dick Bond, um dos membros do novo grupo de trabalho da GRI.

Os consumidores estão cada vez mais interessados em entender melhor como é produzido o que eles comem e bebem. Isso mostra a necessidade de uma iniciativa voluntária das empresas para trabalhar junto com os stakeholders para atender essas expectativas.

"Como empresa focada no cliente, nós nos esforçamos em prestar informações importantes sobre nossos produtos e como eles são fabricados. Isso não pode ser reduzido a uma simples etiqueta com informações sobre emissões de carbono, é necessário um entendimento claro sobre todos os aspectos relevantes da sustentabilidade, incluindo água, nutrição, saúde e bem-estar, como uma base para criar valor compartilhado com a sociedade em geral", afirmou o vice-presidente da Nestlé para Segurança, Saúde e Meio-Ambiente, Claus Conzelmann.  

Nestlé, Bunge, Tyson Foods e Green Mountain Coffee Roasters afirmam que seus programas de gestão em sustentabilidade ganharam valor, em função do trabalho com a GRI, no desenvolvimento de diretrizes específicas para relatórios de sustentabilidade no setor de produção de alimentos. "Relatórios de sustentabilidade criam valor para nossa companhia," disse Michael Dupee, vice-presidente em Responsabilidade Social Corporativa da americana Green Mountain Coffee Roasters. "Eles nos ajudam a melhorar os programas, reúnem informações relevantes para o público de investidores e consumidores e ampliam o relacionamento com a sociedade em geral".

Relatórios de sustentabilidade vêm se tornando um caminho para as empresas aumentarem a confiança dos consumidores e expandirem suas vantagens competitivas sobre outros concorrentes. Adalgiso Telles, diretor de Comunicação Corporativa da Bunge no Brasil destaca: "A Bunge tem operações em diferentes etapas da cadeia de alimentos, do campo à mesa do consumidor. No Brasil, nós trabalhamos com muitos parceiros para a melhoria do desempenho em sustentabilidade, pois sabemos que essa é uma boa forma de melhorar os negócios como um todo. Estamos felizes por sermos os anfitriões da primeira reunião do grupo de trabalho mundial do GRI, quando iniciaremos o desenvolvimento das diretrizes de atuação."

O objetivo da GRI, conhecida por sua aproximação multisetorial, é prospectar companhias do setor de produção de alimentos de mercados emergentes para se juntar à iniciativa. Esse recrutamento está aberto ao mercado de investidores e especialistas em fair-trade, além de organizações focadas em questões trabalhistas, desenvolvimento social e ambiental e saúde e bem-estar.

Perfis

1. GRI
Na visão da GRI, a divulgação do desempenho econômico, responsabilidade ambiental e social por todas as organizações deve tornar-se tão rotineira e comparável como os relatórios financeiros. A GRI tem um trabalho contínuo de desenvolver, melhorar e construir habilidades sobre o uso de sua rede de trabalho. O relacionamento com dezenas de milhares de pessoas em mais de 60 países nas áreas de negócios, sociedade civil, trabalho e instituições profissionais regem a organização e criam o conteúdo da rede de trabalho para relatórios por meio de um processo que busca o consenso. Esta rede de relacionamento é aberta àqueles que desejam usa-la, acessar informação em relatórios baseados em GRI, ou contribuir para a missão do GRI de outras maneiras, formal ou informalmente. A rede de trabalho da GRI é a mais amplamente usada e padronizada para reportar sustentabilidade no mundo.

2. Suplementos Setoriais da GRI (GRI Sector Supplements)
Os Suplementos Setoriais da GRI captam um conjunto específico de questões de sustentabilidade apontados por diferentes setores, tais como mineração, automotivo, financeiro, agências públicas e telecomunicações. Indicadores setoriais específicos serão desenvolvidos por um grupo de trabalho multi-stakeholder de 18 a 20 pessoas em um processo de dois anos. O público em geral tem duas oportunidades de gerar críticas e sugestões nos documentos prévios desse Suplemento. O grupo será composto em 50% por stakeholders setoriais e 50% por não setoriais (exemplo: fair-trade - relações comerciais -, organizações de áreas de trabalho, sociais e ambientais) e os participantes refletirão uma série de legislações, experiências e regiões geográficas globais. Atualmente, a GRI está pesquisando empresas de processamento de alimentos em mercados emergentes e outros especialistas para participarem no grupo de trabalho.
Os interessados podem entrar em contato por meio do website: http://www.globalreporting.org/ReportingFramework/SectorSupplements/FoodProcessing/FoodProcessingSectorSupplement.htm

3. Bunge
A Bunge é uma companhia líder em agribusiness e produção de alimentos, fundada em 1818 e com sede mundial em White Plains, New York (EUA). A Bunge está presente no Brasil desde 1905, e é uma das mais importantes companhias em fertilizantes, agribusiness e produção de alimentos no país, com operações em toda a cadeia produtiva. Por meio da Bunge Fertilizantes e Bunge Alimentos são produzidos fertilizantes e suplementos para nutrição animal, além do processamento de soja e outros grãos, fornecimento de matérias-primas para indústrias alimentícias, food service e produção de alimentos para o consumidor final. As operações da Bunge e suas marcas têm uma grande presença na história econômica do Brasil e tem tido forte influência nos hábitos, pesquisa científica e inovação tecnológica, além da formação de geração de profissionais. Faturamento em 2006, Brasil: R$ 18,2 bilhões. Colaboradores diretos: 8.500 funcionários. 
Presença geográfica: mais de 300 unidades, incluindo fábricas, portos, centros de distribuição e silos, por 16 estados brasileiros.

4. Tyson Foods
Tyson Foods, Inc. [NYSE: TSN], fundada em 1935 com sede em Springdale, Arkansas (EUA), é a maior processadora e comercializadora mundial para aves, carnes e suínos e a segunda maior empresa para produção de alimentos, segundo a lista Fortune 500 e é membro do S&P 500. A companhia produz uma larga variedade de alimentos prontos e protéicos, e é reconhecida como líder nos segmentos de varejo e food service. Tyson Foods fornece produtos e serviços aos consumidores em todo os EUA e em mais de 80 países. A companhia tem aproximadamente 104.000 colaboradores em mais de 300 unidades nos EUA e no mundo. Por meio de sua declaração de valores, código de conduta e carta de direitos do time de funcionários, a Tyson Foods não mede esforços para operar com integridade e confiança, e é compromissada na criação de valor para os seus públicos de interesse, clientes e equipe de funcionários. A companhia também vislumbra a liberdade em crenças, oferece um ambiente de trabalho saudável e atua com respeito socioambiental nas regiões onde atua.

5. Green Mountain Coffee Roasters
Green Mountain Coffee Roasters, Inc. (NASDAQ: GMCR) é reconhecida como líder no segmento de cafés especiais por seus premiados produtos e práticas de negócios com sucesso. A companhia vende mais de 100 seleções de alta qualidade, inclui cafés orgânicos e cafés certificados com Fair Trade CertifiedT (responsabilidade social e ambiental em relações duradouras com produtores rurais) para produtos das marcas Green Mountain Coffee Roasters® e Newman's Own® Organics.  Enquanto a maioria do faturamento da empresa é derivado de suas operações de vendas no atacado, venda direta e comércio eletrônico (www.GreenMountainCoffee.com), também faz parte do grupo a Keurig, Incorporated, uma pioneira e líder produtora de sistemas para variedades gourmet de dose única. Green Mountain Coffee Roasters está no ranking como nº 1 na lista de "As 100 Melhores Empresas Cidadãs" pelos últimos dois anos, e tem sido reconhecida repetidamente pela Forbes, Fortune Small Business, e Society of Human Resource Management como inovadora, de alto crescimento e socialmente responsável.

6. Nestlé
Fundada em 1866 na Suíça, onde ainda é baseada, a Nestlé tem se tornado a empresa líder mundial em alimentação, nutrição e bem-estar, com vendas de CHF 98,5 billhões (USD 78,7 bilhões / EUR 62.5 bilhões) em 2006. Emprega 265 mil pessoas, opera 481 fabricas em 87 países e seus produtos são vendidos em todos os lugares. A Nestlé é líder em todo o mundo para categorias de produtos como cafés solúveis, nutrição infantil, água engarrafada, leite condensado e em pó, sorvete e também em bebidas maltadas e achocolatadas, e culinária. O Grupo é também co-lider em produtos para animais de estimação. A Nestlé tem compromisso com práticas de negócios sustentáveis e estimula seus parceiros comerciais em toda a cadeia de suprimento, do campo à mesa, para também adotarem tais práticas. Para mais detalhes, veja http://www.nestle.com/

Informação para a imprensa
Estados Unidos
Anna Pouls, Public Relations Coordinator
Email: pouls@globalreporting.org
Telephone: +1 31 (0)20 531 0034
www.globalreporting.org

Brasil
CL-A Comunicações
(11) 3082-3977 - fax (11) 3082-4066
Iracema de Carvalho (ramal 30) iracema.carvalho@cl-a.com
Fernanda Demichelli (ramal 37) fernanda.demichelli@cl-a.com
www.cl-a.com




DataNotícia
02/12/2019 BP e Bunge concluem a formação da joint venture BP Bunge Bioenergia no Brasil
27/11/2019 Verão de Soya tem novas maioneses e brinde exclusivo da marca
21/10/2019 Gradina tem participação especial no Mesa São Paulo 2019 e Chefs da Academia Bunge apresentam tendências da confeitaria e panificação
16/10/2019 Soya lança sua nova linha de maioneses e apresenta novo posicionamento
27/09/2019 Salada, a 1ª marca de óleo vegetal do Brasil, comemora 90 anos com novas embalagens
Veja mais notícias...