Bunge investe em ações de proteção e gestão ambiental e resultados ganham escala nos processos produtivos da empresa

Além de atingir 80% de redução no consumo de água em mais uma planta industrial, a empresa comemora 20 anos do projeto de coleta de óleo de cozinha usado, com crescimento médio de 20% ao ano
 

São Paulo, 4 de agosto de 2016A Bunge Brasil, uma das maiores empresas de agronegócio e alimentos do país, melhorou seu desempenho ambiental nas três áreas de negócios onde atua (Agronegócio, Açúcar & Bioenergia e Alimentos & Ingredientes), segundo dados publicados na 13ª edição do Relatório de Sustentabilidade.  Em 2015, a empresa investiu mais de R$ 24 milhões em ações de proteção e gestão ambiental, sendo R$ 14 milhões aplicados nas unidades de agronegócio.

 

Um dos desafios da companhia é reduzir o consumo de água, insumo utilizado diretamente nos processos produtivos. Durante o ano de 2015, a unidade da Bunge em Araçatuba, que é responsável pela produção de atomatados e molhos prontos, conseguiu reduzir em mais de 80% o consumo da água e, por consequência, reduziu também a captação de água do rio Ribeirão Baguaçu. O projeto desenvolvido mudou a forma como a água era captada e o resultado foi surpreendente. Para se ter ideia, em 2014, no período de safra, foram consumidos aproximadamente 1.615.000 m³, enquanto que, em 2015, após a implementação do projeto, captou-se 300.000 m³.

 

Outro sucesso apontado no relatório refere-se ao descarte consciente que a Bunge promove por meio do projeto Soya Recicla, programa referência em reciclagem de óleo de cozinha usado, que comemora 20 anos em 2016 e se consolida como a maior rede de coleta de óleo voluntária do país. Com 2.188 pontos ativos para entrega do óleo em São Paulo e no Ceará, o projeto recolheu em 2015 mais de 800 toneladas de óleo usado, o que representa um crescimento de 21% comparado ao ano anterior. Desde sua criação em 2006, o programa já coletou mais de três milhões de quilos de óleo de vegetal pós-consumo.

 

Por ter como meta a redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE), a Bunge investe na redução do consumo de energia de suas unidades industriais, bem como na adoção de uma matriz energética renovável. Em 2015, a empresa continuou produzindo 100% da energia elétrica que é consumida em seus processos industriais. Essa energia é gerada por meio do bagaço da cana-de-açúcar nas oito usinas da Bunge, em um processo conhecido como cogeração. Além disso, 94% da matriz energética da empresa é proveniente de fontes renováveis.
 

Outro ponto que merece destaque é o bloqueio de produtores rurais que não cumprem com compromissos ambientais ou sociais, como questões trabalhistas, moratória da soja e embargos do IBAMA. Ao final de 2015, 195 produtores estavam bloqueados, um número 46% menor no comparativo com o ano de 2013, demonstrando que a cada ano a cadeia produtiva está mais comprometida com as questões da sustentabilidade. “Considerando nossos 110 anos de presença no Brasil, caracterizados pelo compromisso com a sustentabilidade, esses resultados demonstram que as nossas iniciativas estão no caminho certo, permitindo manter o equilíbrio da nossa atuação junto a todos os stakeholders da empresa”, afirma Martus Tavares, vice-presidente de assuntos corporativos da Bunge Brasil.

 

Divulgado desde 2014 na versão online, o relatório de sustentabilidade da Bunge Brasil tem em média 70 mil acessos por ano. “Optamos por esse formato digital, pois além de ser mais sustentável, é prático e interativo. Você consegue localizar tudo de forma mais rápida”, conclui Tavares. O documento completo está disponível no site: http://www.bunge.com.br/sustentabilidade/2016.

 

Sobre a Bunge

A Bunge trabalha diante de um dos maiores desafios do mundo contemporâneo: garantir de forma sustentável a alimentação de uma população em constante crescimento. No Brasil há 110 anos, a empresa é a maior exportadora do agronegócio e uma das principais no setor de alimentos e ingredientes para a indústria alimentícia. São cerca de 17 mil funcionários, que atuam para contribuir com a produção de alimentos e fazer com que produtos de alta qualidade cheguem à mesa de milhares de consumidores todos os dias. Eleita a empresa sustentável do ano de 2015 pelo Guia Exame de Sustentabilidade e reconhecida pela revista Você S/A como uma das 150 melhores empresas para se trabalhar, a Bunge compra e processa grãos, como soja, trigo e milho; produz alimentos, como óleos, margarinas, maioneses, azeite, arroz, farinhas de trigo, molhos e atomatados; presta serviços portuários; produz açúcar, etanol e bioenergia. São mais de 100 instalações no Brasil, entre fábricas, usinas, moinhos, portos, centros de distribuição e silos, em 17 estados e no Distrito Federal. Marcas como Soya, Delícia, Primor, Salada, Cardeal, Salsaretti, Suprema e Gradina fazem parte da história de milhares de pessoas e de uma das maiores empresas de agronegócio e alimentos do Brasil.

 

Informações para a imprensa:
In Press Porter Novelli Assessoria de Comunicação

 

Atendimento:

Aline Brandi
aline.brandi@inpresspni.com.br
(11) 3323 1519

Bárbara Crivelaro
barbara.crivelaro@inpresspni.com.br
(11) 3323 1523

Raissa Noronha
raissa.noronha@inpresspni.com.br
(11) 3330 3840

Coordenação:

Camila Francis
camila.francis@inpresspni.com.br
(11) 3323 1533




DataNotícia
02/12/2019 BP e Bunge concluem a formação da joint venture BP Bunge Bioenergia no Brasil
27/11/2019 Verão de Soya tem novas maioneses e brinde exclusivo da marca
21/10/2019 Gradina tem participação especial no Mesa São Paulo 2019 e Chefs da Academia Bunge apresentam tendências da confeitaria e panificação
16/10/2019 Soya lança sua nova linha de maioneses e apresenta novo posicionamento
27/09/2019 Salada, a 1ª marca de óleo vegetal do Brasil, comemora 90 anos com novas embalagens
Veja mais notícias...