Share |

Pesquisa e inovação para uma vida saudável

Novos produtos procuram satisfazer as exigências dos consumidores finais por alimentos cada vez mais saudáveis

70.154
consumidores e clientes atendidos por meio dos canais de comunicação

AÇÕES DA BUNGE IMPACTOS NA CADEIA DE VALOR

• Apoio a organizações e formação de parcerias para disseminar o conhecimento sobre sustentabilidade, como consumo consciente e hábitos saudáveis

• Realização de pesquisas contínuas para identificar necessidades dos clientes e oportunidades de melhoria

• Patrocínio à pesquisa do Instituto Akatu abordando os “Estilos Sustentáveis de Vida” e gerando informação para desenvolver produtos e serviços voltados ao público jovem

• Lançamento do Guia Bunge de Dietas Saudáveis

• Incentivo à adoção de hábitos e atitudes saudáveis por parte dos consumidores

• Atuação no Ipas (Iniciativa Pró-Alimento Saudável) como estratégia de sensibilização e educação dos consumidores e da cadeia produtiva

• Envolvimento de outros atores da cadeia e união de esforços na busca pelo crescimento sustentável

• Controle e identificação nos rótulos de alimentos com origem direta de grãos que possam conter transgenia

• Acesso dos consumidores a informações sobre a origem dos produtos e a gestão da Bunge

Oferecer alimentos seguros e saudáveis para o consumo é um ponto estratégico de atuação da Bunge na cadeia produtiva. Em 2009, a empresa passou a integrar a Rede de Inovação de Biscoitos, iniciativa que reúne fabricantes do Brasil, o Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital) e a Associação Nacional das Indústrias de Biscoitos. Nesse segmento, a Bunge atua como fornecedora de farinhas, gorduras e outros insumos usados na fabricação. Entre os temas discutidos na rede estão saudabilidade, sustentabilidade, novos processos de fabricação e novas tecnologias.

Durante a feira Health Ingredients South America Summit 2009, realizada em junho, em São Paulo, a Bunge lançou sua nova linha de produtos com a identificação “Low Trans Low Sat”, com teor reduzido de gorduras trans e saturadas, para atender a indústria de alimentos. Indicados principalmente para a produção industrial de massas para biscoito, sorvetes e massas instantâneas, os novos produtos permitem satisfazer as exigências de consumidores finais que buscam alimentos mais saudáveis, bem como colocam a empresa na vanguarda de mudanças que devem ocorrer no marco regulatório.

A nova linha é resultado de pesquisas que começaram a ser realizadas em 2008, com o auxílio de universidades, que abasteceram os profissionais da Bunge com informações técnicas e científicas. Todos os produtos desse segmento são identificados pelo selo “Gorduras Low Trans Low Sat Bunge – Uma escolha mais saudável”.

Conformidades

A Bunge se baseia nas normas legais aplicáveis e nas melhores práticas para adotar procedimentos relativos à verificação da conformidade de cada matéria-prima e insumo (ingrediente, aditivo, embalagem etc.). A segurança e a saúde do consumidor são aspectos considerados na concepção e no desenvolvimento do produto, que deve ser da melhor qualidade e adequado para as aplicações indicadas.

Em 2009, não houve casos de não conformidade com regulamentos e códigos voluntários relacionados aos impactos na saúde e na segurança causados por produtos durante seu ciclo de vida.

Todos os produtos fabricados pela Bunge seguem as regulamentações estabelecidas, principalmente, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), pelo Ministério da Justiça e pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro). Essas normas disciplinam as informações obrigatórias que devem constar nos rótulos dos produtos, como composição, informações nutricionais, condições de conservação, prazo de validade, modo de preparo e consumo e materiais que compõem a embalagem.

No que se refere a não conformidades relativas ao fornecimento e uso de produtos e serviços, a área de Alimentos recebeu 55 autuações do Inmetro, que geraram multas no total de R$ 201.000,00. Houve 23 multas, totalizando R$ 145.000,00 referentes a não conformidades relativas a requisitos de classificação de produtos. Essas situações promoveram uma reanálise nos processos, a fim de que tais ocorrências não se repitam.

Em 2009, a área de Alimentos não recebeu multas, nem em processos administrativos nem em judiciais, envolvendo questões ambientais que impusessem o pagamento de qualquer valor.

Mais perto das padarias

As panificadoras e confeitarias de todo o Brasil representam um público importante para a Bunge, que desenvolve ações de relacionamento e aproximação com esses clientes. Iniciativas como o site Padaria Bunge (www.padariabunge.com.br) e a revista Bunge Com Você são canais de comunicação que contribuem para aperfeiçoar a gestão, ampliar o conhecimento sobre o mercado e disseminar o conhecimento sobre o tema da sustentabilidade.

Outra ação de relacionamento importante é a Copa Bunge de Panificação, realizada em parceria com a Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (Abip). A terceira edição, cujos vencedores foram premiados em julho de 2009, bateu o recorde de inscrições, com mais de 6 mil receitas de pães e doces enviadas para a categoria Talentos. A categoria Graduandos, destinada a estudantes, recebeu cerca de 200 inscrições.

Satisfação do cliente

Entender a demanda de seus clientes e responder a elas com agilidade é uma das condições para o êxito dos negócios da Bunge. Essa capacidade envolve ferramentas adequadas de pesquisa e gestão, comprometimento das equipes internas, treinamento e investimentos em novos produtos e serviços. As iniciativas adotadas pela companhia visam também conscientizar os consumidores sobre a importância de inserir e praticar a sustentabilidade no cotidiano.

A NPS (Net Promoter Score) é a principal ferramenta para medir o grau de satisfação dos clientes da Bunge, que utiliza os resultados como um guia para adotar as melhorias necessárias. As informações geradas no atendimento aos consumidores (especialmente por meio do SAC) e aos clientes (pelo Sabe, o Serviço de Atendimento Bunge Especialistas) geram relatórios sobre as principais dificuldades e insatisfações.
Os resultados indicam, de modo geral, que os clientes da Bunge estão satisfeitos em termos da qualidade, dos prazos de entrega e dos preços praticados.

Foco no cliente, na prática

Uma equipe de profissionais de vendas, marketing e comercial da área de Ingredientes da Bunge passou por um treinamento de três dias em lojas da rede de lanchonetes McDonald’s, nas cidades de Camboriú (SC) e São Paulo. O objetivo foi entender o sistema operacional do cliente e suas necessidades, para que a empresa possa oferecer propostas de produtos e serviços melhores.

Informação para o consumidor

Com foco no interesse do consumidor final, a Bunge elaborou, em 2009, o Guia Bunge de Dietas Saudáveis. O material, avalizado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, pela Associação Brasileira de Nutrologia, pelo Serviço de Informação da Carne e por diversos profissionais renomados em nutrição, traz informações importantes sobre como se alimentar corretamente, a função dos diferentes nutrientes, proteínas, gorduras e outros.

O guia auxilia o consumidor a procurar equilíbrio na alimentação e a compreender as informações de rótulos e as tendências dos mercados, além de auxiliar no entendimento de casos de alimentação especial e fora de casa. Além disso, receitas práticas e fáceis colaboram para que toda a teoria apresentada seja executada no dia a dia. A Bunge iniciou a distribuição do material durante o ano de 2010, pela área de marketing de consumo.

Alimentos transgênicos

A preocupação legítima da sociedade com a produção e o consumo de alimentos transgênicos é um dos pontos focais de atuação do pilar Dietas Saudáveis da Plataforma de Sustentabilidade da Bunge. A empresa é uma referência nacional no relacionamento com produtores de transgênicos, com processos e critérios rigorosos de segregação, quando contratada para tal, e estrito cumprimento das legislações locais.

Em junho de 2009, a unidade de Luís Eduardo Magalhães, na Bahia, foi novamente indicada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para receber a visita de representantes da Comunidade Europeia interessados em conhecer a procedência e os padrões de segurança dos produtos que abastecem aquele continente, uma demonstração clara de que os padrões adotados pela Bunge não apenas são importantes para a imagem do País, mas também relevantes e validados por um dos mercados mais exigentes do mundo.

A Bunge também possui equipes para acompanhar o desenvolvimento de pesquisas sobre a utilização de transgênicos. Nos estudos, realizados há pelo menos duas décadas, não existem evidências de que esse tipo de alimento, já disponível no mercado, ofereça algum risco para a saúde humana.

A legislação brasileira autoriza a comercialização de produtos com componente transgênico e estabelece que a embalagem deve trazer essa informação quando a quantidade de componentes transgênicos na formulação do produto for superior a 1%. Apesar de as linhas de óleos de soja produzidas pela Bunge não conterem componentes transgênicos ou estarem abaixo desse limite, a empresa traz, por liberalidade, a informação sobre transgenia em seus rótulos, por se tratar de produtos fabricados diretamente de soja.