Share |

O elo final da cadeia

A Bunge procura assegurar a destinação correta das sobras de seus processos industriais e investe em conscientização e embalagens biodegradáveis



185 mil
litros de óleo usado foram reciclados por meio de parcerias, em 2009, um aumento de 85% em relação ao ano anterior

AÇÕES DA BUNGE IMPACTOS NA CADEIA DE VALOR

• Formação de parcerias com organizações para coleta de resíduos, como o programa Soya Recicla

• 185 mil litros de óleo coletados e incentivo para o envolvimento de outros atores da cadeia (supermercados, padarias, ONGs etc.)

• Investimento em campanhas educativas para os consumidores

• Disseminação do tema da sustentabilidade e educação dos consumidores finais

• Rígido controle do descarte de resíduos decorrentes dos processos industriais

• Dos resíduos perigosos decorrentes da atividade de produção em 2009, 59% foram reciclados e 38% foram reutilizados. Dos resíduos não perigosos, 99,2% foram reutilizados e 0,7% foi reciclado

• Desenvolvimento de embalagens com menor quantidade de matéria-prima e com material biodegradável

• Uso de 25 toneladas de material biodegradável para embalagens
• Redução de 14% no consumo de PET para fabricação de embalagens

Para reduzir os impactos ambientais decorrentes da utilização de seus produtos, o último elo da cadeia de valor, a Bunge se apoia no pilar Redução de Resíduos, desenvolvido em sua Plataforma de Sustentabilidade. Dessa maneira, a companhia busca assegurar que seus resíduos industriais tenham o encaminhamento correto, investe no aperfeiçoamento das embalagens e promove a conscientização dos consumidores finais para o descarte adequado das embalagens.

O destino correto de resíduos de insumos e embalagens do produto representa o ponto final de uma atuação sustentável na cadeia de valor. A Bunge atua nessa área com os mais rígidos controles internos de sua produção e a adequação para evitar danos ambientais.

Um dos grandes desafios para a sustentabilidade, porém, está na conscientização dos consumidores finais no que diz respeito à destinação correta de embalagens e demais resíduos originados após a utilização dos produtos. Por isso, a Bunge atua em diversos programas de educação e reciclagem, em parceria com organizações não governamentais. Além disso, investe no aperfeiçoamento de suas embalagens com materiais biodegradáveis, que reduzem o impacto no meio ambiente após o descarte.

Educação para o consumidor

A Bunge é um dos membros fundadores da Iniciativa Pró-Alimento Saudável (Ipas), ação que busca inovar e produzir impactos relevantes a favor da sustentabilidade na cadeia do agronegócio. Em 2009, o grupo de trabalho responsável pelos esforços voltados para o consumidor produziu uma cartilha que aborda a correta destinação de resíduos, como fazer uma horta, como evitar o desperdício de plásticos, água e energia e o conceito de 5 Rs (reduzir, repensar, reciclar, reutilizar e reaproveitar). A cartilha foi lançada em oficinas práticas da rede de supermercados Carrefour.

O Ipas nasceu em 2007 e, além da Bunge, são membros fundadores Organics Brasil, Sadia, Carrefour, Escola de Marketing Industrial, Klabin, Pensa/USP, Sociedade Rural Brasileira, The Nature Conservancy e Nestlé.

Além da linha de atuação voltada para o consumidor, o Ipas desenvolve ações em outras quatro frentes: desperdício de alimentos, fornecedores, atividade de campo e integração da cadeia.

 

Peso total de resíduos, por tipo e métodos de disposição

 

Resíduos não perigosos (t) Fertilizantes Alimentos
Disposição 2007 2008 2009 2007 2008 2009
Compostagem 0 0 0 5.642 6.322 20.852
Aterro 4.548 2.500 1.083 4.246 8.388 5.176
Reutilização 2.052.269 2.285.655 2.420.746 3.933 1.978 5.367
Reciclagem 75913,39 3949,73 17.600 13.923 7.378 5.063
Recuperação 0 0 1 42,9 714 384
Incineração 0 0 0 6.268 8.130 30.296
Armazenamento no local 132 650 689 17.606 28.853 12.336
Outros 0 0 0 190 9.569 10.652
Subtotal não perigosos 2.132.862 2.292.754 2.440.119 51.850 71.332 90.126
% não perigosos 99,57% 99,91% 99,70% 99,59% 99,31% 85,90%
             
Resíduos perigosos (t) Fertilizantes Alimentos
Disposição 2007 2008 2009 2007 2008 2009
Reutilização 8.861 849 5.477 129 19,69 2.639
Reciclagem 22 467 709 6 182 11.949
Aterro 193 647 280 74 220 13
Incineração 153 0 0 3 19 92
Armazenagem no local 0 0 334 0 58 84
Subtotal perigosos 9.228 1.962 6.800 212 499 14.777
% perigosos 0,43% 0,09% 0,30% 0,41% 0,69% 14,10%
Total 2.142.091 2.294.717 2.446.919 52.062 71.831 104.903
             
Processo de mineração (t) Fertilizantes Alimentos
Disposição 2007 2008 2009 2007 2008 2009
Resíduos de mineração (rocha) 20.050.153 26.459.422 34.530.280  n/a  n/a  n/a
Resíduos de processo de mineração (tailings) 7.854.858 7.801.582 6.575.627  n/a  n/a  n/a
Armazenagem no local 27.905.011 34.261.004 41.105.907  n/a  n/a  n/a
Resíduos não perigosos (t) Total
Disposição 2007 2008 2009
Compostagem  5.642   6.322 20.852
Aterro  8.794  10.888 6.259
Reutilização  2.056.201   2.287.633 2.426.113
Reciclagem  89.836   11.327 22.663
Recuperação 42,9  714 385
Incineração  6.267    8.130 30.296
Armazenamento no local  17.737  29.502 13.025
Outros 190  9.569 10.652
Subtotal não perigosos 2.184.713 2.364.087 2.530.245
% não perigosos 99,57% 99,90% 99,20%
 
Resíduos perigosos (t) Total
Disposição 2007 2008 2009
Reutilização 8.990 868 8.116
Reciclagem 28 649 12.658
Aterro 267 867 293
Incineração 156 19 92
Armazenagem no local 0 58 418
Subtotal perigosos 9.440 2.461 21.577
% perigosos 0,43% 0,10% 0,80%
Total 2.194.153 2.366.548 2.551.822
 
Processo de mineração (t) Total
Disposição 2007 2008 2009
Resíduos de mineração (rocha) 20.050.153 26.459.422 34.530.280
Resíduos de processo de mineração (tailings) 7.854.858 7.801.582 6.575.627
Armazenagem no local 27.905.011 34.261.004 41.105.908

Obs. Inclui informações das áreas de Alimentos e de Fertilizantes. A representatividade da Fertimport nesse indicador é insignificante, e todos os resíduos gerados são coletados pelo serviço público

Investimentos em proteção ambiental (em R$)
  2008 2009
Tratamento e disposição de resíduos, tratamento de emissões e despesas com compra e uso de certificados de emissão 15.196.453,26 4.968.503,85
Educação e treinamento, serviços externos de gestão ambiental, certificação externa de sistemas de gestão, pessoal para atividades gerais de gestão ambiental e pesquisa e desenvolvimento 9.173.447,83 5.254.309,93
TOTAL 24.369.901,09 10.222.813,78

Conformidade

A unidade de Cubatão de produção de fertilizantes recebeu multa em razão de efluentes líquidos da caixa de passagem do reservatório central no corpo d’água. A multa atingiu o valor de R$ 38.040,00. Os controles foram aprimorados para que não mais existam problemas nessa linha.

Embalagem biodegradável

A Bunge é a primeira fabricante de alimentos do País a produzir embalagem biodegradável, de fonte renovável, para creme vegetal. Trata-se da embalagem dos cremes da linha Cyclus Nutrycell. Ao ser depositada em ambientes com condições adequadas, como aterros sanitários, ela se decompõe em 180 dias.

A embalagem é feita com resina obtida a partir da fermentação do milho, uma tecnologia desenvolvida nos Estados Unidos e que exigiu dois anos de pesquisas por parte dos profissionais da Bunge. O produto segue todas as normas estabelecidas pelas legislações brasileira, da União Europeia e norte-americana. Além disso, possui o selo internacional do Instituto de Produto Biodegradável. O material de que é feito o pote do creme vegetal já era aplicado no rótulo do óleo Cyclus.

Além do reconhecimento do consumidor e de premiações pela inovação em 2009, a embalagem biodegradável de Cyclus foi anunciada como Medalha de Ouro – Embalagem Mais Sustentável do Mundo em 2009, no prêmio WorldStar Sustainability Award da WPO (World Packaging Organization). Um reconhecimento único no mundo, a ser concedido em cerimônia a realizar-se em junho de 2010.

Reciclagem de óleo

Em 2009, a Bunge ampliou o alcance do Projeto Soya Recicla, que estimula os consumidores a levarem o óleo vegetal utilizado para postos de coleta. Em parceria com o Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria de São Paulo, a empresa criou pontos de coleta em mais de 60 padarias, onde também são distribuídos folhetos explicativos e todo o material necessário para a armazenagem do óleo.

Outro parceiro da Bunge nesse projeto é o Instituto Triângulo, que desenvolve ações sociais com dezenas de milhares de famílias da Grande São Paulo. A instituição transforma em sabão o óleo recolhido em postos instalados em supermercados. Na unidade da Bunge em Jaguaré (SP), o óleo coletado das famílias que vivem no entorno é encaminhado para a prefeitura, que produz biodiesel. Para 2010, a grande inovação são os projetos autossustentáveis, que permitirão rápida expansão a outras cidades, aumentando a captação e os benefícios ambientais a partir do óleo usado.