Share |

Crescente integração

As iniciativas para aprimorar a troca de informações e o relacionamento com os principais públicos estratégicos

Com o empreendedorismo entre seus valores centrais, a Bunge, presente no Brasil desde 1905, não poderia tornar-se a maior empresa do agronegócio do País sem constante inovação. As modificações em sua estrutura de governança ocorridas em 2010 são mais um passo importante para assegurar a manutenção dessa posição, além dos padrões de qualidade e do respeito à sociedade e ao meio ambiente, seguidos há mais de um século.

A Bunge Brasil passou a ser presidida, em 11 de janeiro de 2010, por Pedro Parente, que já foi ministro-chefe da Casa Civil, ministro do Planejamento e secretário-executivo do Ministério da Fazenda durante o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso. Parente foi também consultor do Fundo Monetário Internacional (FMI), trabalhou no Banco Central do Brasil e no Banco do Brasil e foi presidente dos Conselhos de Administração da Petrobras e do Banco do Brasil. Formado em Engenharia Elétrica pela Universidade de Brasília, é membro do Centro de Estudos Latino-Americanos da George Washington University.

O CEO da Bunge Brasil reporta-se diretamente a Alberto Weisser, chairman e CEO da Bunge Limited.

O Conselho Consultivo, o mais alto órgão de governança da Bunge, continua composto por Alberto Weisser, Alysson Paulinelli, Eliezer Batista da Silva, Mário Alves Barbosa Neto, Oscar de Paula Bernardes Neto, Roberto Teixeira da Costa e Sérgio Roberto Waldrich, reconhecidos por sua capacidade administrativa em diferentes áreas.

O modelo de gestão global da Bunge favorece as decisões locais, privilegiando as características de cada região, de modo a facilitar a tomada de decisões que sejam benéficas dos pontos de vista econômico, ambiental e social. Para atingir resultados positivos, existem ferramentas de comunicação e reuniões de intercâmbio para divulgar experiências e aperfeiçoar os processos locais.

As metas de sustentabilidade da Bunge integram-se aos objetivos estratégicos da empresa e têm relação direta com a remuneração de todos os colaboradores, incluindo os membros do Comitê Executivo. Auditorias internas e externas, realizadas nas unidades industriais e nos escritórios nacionais e regionais, asseguram a confiabilidade das informações de todo o grupo relativas aos desempenhos econômico, ambiental e social.

A Bunge entende que todos os relacionamentos entre seus funcionários e destes com os públicos externos devam seguir padrões morais e éticos de conduta. Assim, o grupo assume o compromisso público de repúdio à exploração de mão de obra infantil em toda a sua cadeia produtiva. No que diz respeito à valorização da diversidade, a Bunge encoraja seus parceiros comerciais a manterem seus quadros de colaboradores com uma composição representativa do perfil das populações das áreas onde atuam.

O respeito nas relações entre as pessoas é fundamental. Com esse entendimento, a Bunge condena qualquer atitude de assédio sexual ou moral, interna ou externamente às suas instalações, sendo que as áreas de recursos humanos e de desenvolvimento organizacional das empresas estão preparadas para lidar com quaisquer denúncias a esse respeito. As práticas que possam ser consideradas como atos de corrupção também não são toleradas nas operações da empresa. O Código de Ética dos funcionários e as relações com os fornecedores e demais públicos abrangem políticas contra essas práticas.

Conheça o Código de Ética adotado pela Bunge

Conselho Consultivo

Alberto Weisser – presidente do Conselho e CEO da Bunge Limited

Alysson Paulinelli – engenheiro agrônomo, atuou como ministro da Agricultura, presidente do BEMGE, presidente da Confederação Nacional de Agricultura (CNA) e deputado federal. É professor emérito da Universidade Federal de Lavras.

Eliezer Batista da Silva – engenheiro químico, foi ministro de Minas e Energia e esteve à frente da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), além de ter sido um dos fundadores do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentado (CEBDS), da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS) e do Instituto Bio Atlântica (I-Bio).

Mário Alves Barbosa Neto – engenheiro de produção, tem vasta experiência na área de fertilizantes no país, atuando nas maiores empresas do setor. É presidente da ANDA - Associação Nacional para a Difusão de Adubos.

Oscar de Paula Bernardes Neto – engenheiro químico e administrador de empresas, integra os conselhos de administração de diversas empresas no Brasil, incluindo Companhia Suzano de Papel e Celulose, Gerdau S/A, e no exterior, como Delphi Corporation, nos Estados Unidos, e Johnson Electric, em Hong Kong.

Roberto Teixeira da Costa – economista, membro do Conselho de Administração da Sul América S/A e Banco Itaú Holding Financeira, além de sócio da Prospectiva Consultoria Brasileira de Assuntos Internacionais.

Sérgio Roberto Waldrich – engenheiro químico, desenvolveu sua carreira  em empresas de agronegócios, tendo amplo conhecimento dos setores de grãos, alimentos e ingredientes.