Share |

Sobre este relatório

Reconhecida por seu empenho na gestão da sustentabilidade e pela forma com que busca inseri-la na cadeia de valor do agronegócio, a Bunge publica mais uma edição de seu Relatório de Sustentabilidade

Instrumento que mostra a evolução do tema na companhia e em suas atividades, este relatório de sustentabilidade abrange a atuação da Bunge entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2009, além de fatos relevantes registrados até o fechamento deste relatório. A Bunge, mais uma vez, responde a todos os indicadores da última versão (G3) do padrão GRI (Global Reporting Initiative), entidade reconhecida internacionalmente pela eficiente metodologia que possibilita a comparabilidade e a evolução da gestão em sustentabilidade.

A comunicação da sustentabilidade tem o objetivo de proporcionar aos stakeholders o entendimento dos esforços feitos pela Bunge no Brasil dentro de sua Plataforma de Sustentabilidade, um movimento global do grupo para que seu desempenho seja acompanhado em quatro frentes principais, avaliadas como relevantes por seus stakeholders: Agricultura Sustentável, Efeitos Climáticos, Dietas Saudáveis e Redução de Resíduos.

O reconhecimento do mercado, de clientes, de instituições de ensino e pesquisa e de organizações internacionais é, para a Bunge, uma prova de que a metodologia adotada está no caminho certo. Um exemplo é o convite recebido da ONU para que a empresa participasse do Seminário Regional sobre Investimento Mundial, cujo objetivo foi debater a atuação das empresas no que diz respeito à sustentabilidade nos países em desenvolvimento, uma oportunidade única de discutir e refletir sobre os impactos ambientais e sociais e os reflexos na cadeia global e na economia local. Como resultado desse esforço, foi lançado em Genebra (Suíça), em outubro de 2009, o relatório World Investment Report.

O diálogo para a sustentabilidade, na Bunge, possui outros instrumentos além do relatório, publicado anualmente desde 2003. O Painel de Stakeholders, realizado todos os anos, é uma possibilidade de diálogo face a face em que a gestão da companhia e a maneira de expressar os esforços são aprimoradas continuamente. Outras ferramentas, como os canais de relacionamento com clientes e as visitas periódicas realizadas por equipes de campo aos produtores rurais, também incrementam o processo.

Na composição dos indicadores, a Bunge reporta apenas as operações sobre as quais tem controle total. Não são consideradas as operações não controladas integralmente, excluindo-se, portanto, quaisquer joint ventures.
A Bunge considera que o relatório atinge o nível de aplicação A da estrutura de relatórios da GRI. A publicação também passa por uma avaliação externa (assurance) da BSD Consulting. Comentários e sugestões serão sempre bem recebidos, pelo e-mail sustentabilidade@bunge.com.

Indicadores para o setor de alimentos

A partir de 2011, o Relatório de Sustentabilidade da Bunge contemplará também indicadores específicos do suplemento Food Processor da GRI, desenvolvido especialmente para o setor de produção de alimentos. O documento, a ser lançado no primeiro semestre de 2010, é o resultado de um trabalho multistakeholder de dois anos para a definição dos requisitos necessários para o setor atingir o mais elevado grau de governança, transparência e gestão em sustentabilidade. A Bunge Brasil, que sediou a primeira reunião de trabalho, em 2008, é a única empresa da América Latina a fazer parte do grupo de estudos.