Múltiplos canais para o diálogo

Matriz de materialidade

A matriz de materialidade é essencial para a gestão em sustentabilidade da Bunge Brasil, pois possibilita a abordagem dos impactos da empresa de forma concreta e direcionada. Além da matriz, promovemos ações contínuas de engajamento com colaboradores, clientes e consumidores, organizações não governamentais, instituições financeiras, fornecedores, associações de classe e entidades ligadas ao governo. 

G4-24

Nosso empenho para estreitar e qualificar o relacionamento com nossos públicos inclui canais de comunicação, como e-mails e telefone 0800; reuniões técnicas e consultas diretas aos stakeholders; participação em eventos do setor; além da pesquisa contínua que está disponível na página corporativa de sustentabilidade localizada na internet (www.bunge.com.br/sustentabilidade/Nossos_Principios.aspx).

Do ponto de vista da gestão em sustentabilidade, essa interação é a fonte para reavaliarmos estratégias, consolidarmos ações, desenvolvermos projetos e melhorarmos processos, produtos e ferramentas de comunicação, assegurando, assim, a nossa sustentabilidade. Além de ser fundamental para o desempenho dos negócios, a interação com nossos stakeholders também estimula a gestão compartilhada, a contextualização dos temas relevantes, o equilíbrio, a comparabilidade, a clareza dos posicionamentos e a confiabilidade das informações que divulgamos. Com estes mesmos objetivos disponibilizamos o e-mail sustentabilidade@bunge.com para comentários e sugestões sobre este Relatório e sobre a nossa gestão em sustentabilidade. 

G4-25  G4-26  G4-31

Além disso, buscamos estabelecer relacionamentos que promovam a geração de valor na cadeia produtiva. Por isso, todos os funcionários, no momento da admissão, passam por um processo de integração sobre os valores e a cultura da empresa, e recebem o nosso Código de Conduta, que orienta sobre o comportamento com nossos diversos públicos.

Uma vez que a sede da Bunge Limited fica nos Estados Unidos, todos os funcionários da empresa também recebem informações sobre a política de FCPA (legislação americana contra práticas corruptas em países estrangeiros) e sobre a Política Global Anticorrupção e sobre a legislaçao brasileira anticorrupção, devendo aderir a elas formalmente. Segundo a lei americana, é proibida a doação de qualquer item de valor para agentes de um governo estrangeiro, para obter ou reter negócios ou conseguir vantagem imprópria. Com relação a contribuições políticas e em respeito à lei vigente no Brasil, a Bunge pode contribuir financeiramente para propostas políticas alinhadas à visão de desenvolvimento sustentável da cadeia de alimentos e do agronegócio, independentemente de interesse próprio ou projetos específicos. Em 2015, contudo, a empresa optou por não realizar quaisquer contribuições a partidos políticos ou candidatos. 

G4-SO6

Para elaborarmos este relatório, consideramos as ações de engajamento realizadas com nossos principais públicos de interesse e também a busca e identificação de temas que interferem em nossa atitude para a sustentabilidade. Tal processo está descrito no texto de apresentação deste relatório, clicando aqui. Como resultado, apresentamos no destaque a nossa Matriz de Materialidade. Ela possui temas segmentados por sua relevância "dentro" e "fora" da companhia, isto é, para os públicos interno e externo. Independentemente dessa segmentação, todos os temas são importantes para a atuação da empresa, pois, agindo de forma integrada, os impactos na área rural, por exemplo, também interessam aos stakeholders urbanos. Já os temas relativos à agricultura sustentável são mais sensíveis nas regiões de expansão agrícola do cerrado e próximas ao bioma amazônico. 

G4-18  G4-19  G4-20  

Em histórico de consultas formais realizada pela empresa (leia mais no capítulo de apresentação deste relatório), nossos principais públicos destacaram alguns dos seguintes temas e preocupações expostos na tabela a seguir.

 

TEMAS IDENTIFICADOS POR NOSSOS STAKEHOLDERS

Clientes

Condições de trabalho / Saúde e segurança do trabalho

Fornecedores

Segurança e qualidade do produto / Agricultura sustentável

Investidores

Cumprimento a leis e regulamentos / Direitos Humanos (trabalho infantil / forçado, discriminação) / Agricultura sustentável

Organizações Não Governamentais

Rastreabilidade de produto / Direitos humanos (trabalho infantil/forçado, discriminação) / Condições de trabalho / Saúde e segurança do trabalho / Agricultura sustentável / Eficiência no uso de água / Desmatamento / Gestão e proteção de biodiversidade

Setor

Ética e Conduta / Segurança e qualidade de Produto

Colaboradores

Condições de trabalho / Saúde e segurança do trabalho / Cumprimento a leis e regulamentos / Segurança e qualidade de Produto

Produtores Rurais

Transparência / Rastreabilidade do Produto / Agricultura Sustentável / Desflorestamento / Gestão de Resíduos

 

Além disso, obtivemos 175 respostas completas do nosso público interno. A partir daí, identificamos mudanças pontuais na classificação de relevância dos temas, sem que houvesse necessidade de alterar a estrutura geral da Matriz de Materialidade apresentada no ano anterior.

Dentre os temas-chave identificados destacamos os seguintes assuntos:

  • Segurança e qualidade de produto;
  • Ética e conduta;
  • Condições de trabalho/Saúde e segurança do trabalho;
  • Cumprimento a leis e regulamentos;
  • Saúde e segurança do consumidor;
  • Segurança alimentar;
  • Agricultura sustentável;
  • Transparência;
  • Eficiência no uso de água;
  • Direitos humanos (trabalho infantil/forçado, discriminação).

G4-27

Programas corporativos
Projeto Pró-Bono

A responsabilidade social corporativa e a cidadania empresarial estão incorporadas aos valores Bunge. A contribuição para o desenvolvimento das pessoas e da economia das comunidades em que operamos é um exemplo disso. No início de 2015, o Comitê Executivo da Bunge Brasil aprovou a implantação do Projeto Pró-Bono, que possibilita aos colaboradores da área jurídica prestarem serviços advocatícios à comunidade, voluntariamente.

Para implantação desse projeto, a empresa firmou uma parceria com o Instituto Pro Bono, uma organização sem fins lucrativos que se dedica à ampliação do acesso à Justiça, e se encarrega de selecionar aqueles que necessitam de atendimento.

No início de projeto o atendimento foi realizado, exclusivamente, a entidades do terceiro setor, com quatro instituições apoiadas por seis colaboradores da empresa, totalizando 50 horas de serviços prestados, nos seguintes escopos:

  • Alterações de contrato social
  • Elaboração de estatuto social
  • Abertura de ONG no setor educacional
Bunge Natureza

G4-SO1

Criado em 2006 na unidade de Gaspar (SC) da área de Alimentos & Ingredientes, o programa Bunge Natureza permite a interação entre nossos funcionários e as comunidades do entorno de nossas instalações, contribuindo para promover a responsabilidade ambiental.

Hoje, o Bunge Natureza se expandiu e conta com dois Centros de Divulgação Ambiental e Lazer (CDAL), um em Gaspar (SC) e outro em São Paulo (SP). Na cidade catarinense, o projeto desenvolve atividades de educação ambiental, produção de mudas e assistência técnica em recuperação ambiental. Até então foi possível a recuperação ambiental de uma área de 1 milhão m2, sendo 33 mil m2 em 2015.

Em 2015, a nova metodologia de trabalho para mapeamento e controle dos efeitos das operações (externalidades) da empresa foi aplicada em cinco unidades-piloto. Os dados ainda serão analisados e, quando finalizados, servirão de subsídio para que a gestão das externalidades se torne ainda mais efetiva e assertiva.

Além disso, desenvolvemos um trabalho permanente de sensibilização dos nossos funcionários, parceiros, fornecedores e comunidade, para buscarmos em conjunto soluções mais abrangentes para as externalidades socioambientais das nossas operações. 

G4-SO2

No bairro do Jaguaré (SP), por exemplo, desenvolvemos ações socioambientais que beneficiam comunidades vizinhas, estudantes, parceiros, colaboradores e seus familiares como parte do programa Bunge Natureza.

Uma dessas ações é o Projeto Acerte Na Lata que, em 2015, contabilizou 48 encontros; aproximadamente 192 horas de sensibilizações, aprendizados e compartilhamento de experiências em educação ambiental; 25 crianças da comunidade do Jaguaré participantes e outras 125 pessoas indiretamente envolvidas. Em parceria com o projeto, a unidade realizou três atividades de engajamento e sensibilização: Dia da Árvore, Semana do Meio Ambiente e Dia da Terra.

A outra iniciativa relevante no Jaguaré é o Projeto Geração de Renda com Resíduos. Esta iniciativa tem como objetivo incentivar e capacitar moradores do bairro a reutilizar resíduos na produção de bens que possam gerar renda alternativa às famílias. Isto é alcançado por meio de cursos e oficinas de capacitação desenvolvidos pela equipe do projeto. Em 2015, o projeto realizou 49 cursos, impactando aproximadamente 1.325 pessoas da comunidade. Entre os materiais trabalhados, destaca-se o reuso de garrafas PET, potes de vidro, retalhos de tecido e papelão. Os materiais produzidos são comercializados em feiras, eventos corporativos e na internet.

 

Centro de Educação Ambiental Barcarena

Em 2014, a Bunge Brasil inaugurou no município de Barcarena (PA) o seu Centro de Educação Ambiental (CEA), dentro do Terminal Portuário inaugurado no mesmo ano.

O CEA é parte integrante do projeto Educação Ecoeficiente, que em 2015 deu seguimento às suas ações, mobilizando professores, estudantes e a comunidade em geral da Vila de Itupanema, área de influência do Terminal Portuário. Para tanto, capacitou e qualificou o público sobre sustentabilidade, meio ambiente e sociedade, com foco na importância do uso eficiente dos recursos naturais locais. A proposta é buscar o desenvolvimento sustentável da região e promover, consequentemente, a qualidade de vida da população.

Em 2015, o CEA atuou em duas principais frentes de ação:

1. Implantação de infraestrutura básica e auxiliar para preparo e manejo da área e para projeto de paisagismo do Centro, com foco na utilização de rejeitos do Terminal;

2. Execução das atividades didáticas e de engajamento/relacionamento com a comunidade.

Realizamos palestras, oficinas e mobilizações em duas escolas locais, abordando temas relacionados à produção/plantio de mudas florestais, resíduos e hortas domésticas/escolares. Em 2015, o projeto ofereceu duas Colônias de Férias aos alunos da região e à comunidade próxima ao terminal, com objetivo de proporcionar um espaço de convivência e diversão, por meio de atividades lúdicas, esportivas e artísticas e de contato direto com a natureza. Apoiamos ainda a realização da 1ª Feira do Conhecimento, que apresentou materiais científicos produzidos no campus da Universidade Federal Rural da Amazônia.

A infraestrutura do CEA conta com:

  • Novo viveiro de mudas, com capacidade para duas mil mudas
  • Horta
  • Área de compostagem
  • Trilha ecológica
  • Sistema agrícola Mandala
  • Escritório/sala de aula
  • Bosque com identificação de espécies locais.
Fundação Bunge

G4-SO1

A Fundação Bunge investe em projetos sociais que contribuem para melhorar a educação e a qualidade de vida das comunidades onde estamos presentes, além de promover a preservação da memória da empresa. Em 2015, os investimentos da Fundação Bunge alcançaram pouco mais de R$ 9 milhões, destinados a programas estruturados em três pilares estratégicos: Socioambiental, Preservação da Memória e Incentivo à Excelência e ao Conhecimento Sustentável.

O pilar Socioambiental envolve ações para estreitar a relação entre o homem e seu ambiente natural, social, econômico e cultural. Essas ações são implementadas por três programas: Comunidade Educativa, Semear Leitores e Comunidade Integrada. O primeiro é a iniciativa de voluntariado corporativo da Bunge, que busca estimular a leitura em escolas e espaços comunitários, contribuindo com a formação de cidadãos mais conscientes de seu papel no presente e comprometidos com o futuro. Em 2015, os 498 voluntários do programa dedicaram 8.236 horas no desenvolvimento de 182 atividades – em 19 instituições, de 12 localidades, que envolveram 32.363 pessoas. Neste ano, dentro do programa, foi realizada a Jornada Voluntária, uma semana com atividades voluntárias em diversas instituições, em 18 localidades, com a participação de 808 funcionários da Bunge.

Já o Semear Leitores é um programa que busca incentivar a prática da leitura entre crianças das séries iniciais (1º ao 5º ano) de maneira prazerosa e lúdica. O programa funciona independentemente da ação voluntária de colaboradores e compreende, entre outras ações, a criação de espaços de leitura, doação de acervo e formação de mediadores de leitura. No ano, foram distribuídos 6.326 livros infantis e inaugurados sete espaços de leitura nos estados de São Paulo, Tocantins e Mato Grosso, sendo três espaços próprios e quatro franqueados.

Além disso, o programa firmou parcerias com a Solazyme Bunge para estruturação de quatro espaços de leitura Semear Leitores nas cidades de Nova Granada e Guaraci (SP), e contabilizou 86 horas de formação de mediadores de leitura e dois encontros nacionais, além da realização de 12.484 atividades nos 31 espaços existentes, que receberam 291.202 visitas. Neste ano ainda foram realizados três Seminários de Educação nos estados de São Paulo, Paraná e Bahia, envolvendo 660 professores e coordenadores pedagógicos; 29 Feiras Literárias, com a participação de 16.119 pessoas, e apresentações culturais em praças públicas de cidades tocantinenses, com a presença de 450 pessoas.

Já o Comunidade Integrada é um programa de desenvolvimento territorial sustentável desenvolvido nos estados do Tocantins e Pará. Ele contempla a realização de diagnósticos e estudos em socioeconomia, além de um Plano de Gestão Integrada, que orienta o investimento social privado, de forma articulada e integrada às comunidades e às necessidades de cada território. Em 2015, no Tocantins (nas cidades de Pedro Afonso, Bom Jesus do Tocantins e Tupirama) a Fundação Bunge entregou um estudo, um guia turístico e placas de identificação do patrimônio cultural da região, a fim de preservar e valorizar a cultura e a memória do Delta do Tocantins. Além disso, foram realizados diversos cursos, tanto em parceria com o SENAI, na área de Manutenção de Máquinas Agrícolas e Pesadas, que formou 39 pessoas (63% delas já estão empregadas), quanto em parceria com o Colégio Agrícola, nas áreas de Açúcar e Álcool, Agropecuária e Logística, com 170 pessoas formadas. Ainda na área da educação, a Fundação Bunge foi a responsável pela formação de 126 professores e 37 gestores de escolas públicas dos três municípios e pelo lançamento de mais um espaço de leitura no município de Bom Jesus do Tocantins, com mais de 600 títulos da literatura infanto-juvenil.

Na área de fortalecimento da gestão pública, a Fundação participou da entrega do Plano Diretor Urbano de Pedro Afonso e Bom Jesus do Tocantins e do Plano Municipal de Saneamento de Pedro Afonso, além da criação e regularização dos Fundos Municipais de Direito da Criança e do Adolescente, da formação de Conselheiros Tutelares e de Conselheiros Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente e da criação de um Comitê Organizador do Seminário Delta Social, com foco na proteção integral da criança e do adolescente. O programa ainda foi reconhecido em publicações da Fundação Getúlio Vargas e do Instituto Lina Galvani e destaque em evento realizado pela União Europeia e AVSI Brasil.

No Pará, uma parceria com a ONG Childhood permitiu a implantação do programa Na Mão Certa, com foco na proteção integral da criança e do adolescente. Preparamos e formamos colaboradores para o tema e para ações junto a caminhoneiros e familiares, com foco em saúde, segurança nas estradas, combate ao consumo de drogas e à exploração sexual infantil. O programa também colaborou com a formação profissional nos municípios de Barcarena e Itaituba, com a realização de cursos de Mecânica e Elétrica em parceria com o Senai, que envolveu 141 pessoas, e de Classificação de Grãos e Sistema de Qualidade, com o Senar, com a participação de 88 pessoas. Além disso, criamos um fórum de discussões para a realização de encontros com lideranças comunitárias e gestores da Bunge. O Comunidade Integrada no Pará foi destaque na publicação da Fundação Getúlio Vargas com o tema proteção integral da criança e do adolescente.

Preservação da Memória da empresa é garantida pelo Centro de Memória Bunge. O local reúne o patrimônio histórico da Bunge Brasil, conservado e disponível aos interessados. É um dos mais ricos acervos de memória empresarial do Brasil e reúne documentos cartográficos, iconográficos, tridimensionais e textuais, entre outros. Além disso, organiza atividades que aproximam o acervo da sociedade e estimulam outras instituições a preservarem a sua história. Em 2015, o Centro de Memória Bunge tratou e organizou 2.179,544 folhas de documentos textuais e 4.031 documentos audiovisuais do acervo; atendeu a 47.108 pesquisas – presenciais e online – e 81 visitas técnicas de empresas e universidades. Realizou ainda, em parceria com o Itaú Cultural, 10 Jornadas Culturais, que reuniram 1.108 participantes; a curadoria de três exposições, sendo duas montadas na sede da Bunge Brasil, em São Paulo, e uma na Convenção de Alimentos & Ingredientes da empresa. O Centro de Memória Bunge contribuiu com o documentário “A história da embalagem no Brasil”, da Bemis Latin American e foi destaque na 10ª Mostra de Cinema de Ouro Preto, que reuniu 215 pessoas.

Incentivo à Excelência e ao Conhecimento Sustentável é realizado com o Prêmio Fundação Bunge, criado em 1955 como forma de incentivar a inovação e o conhecimento. É concedido anualmente a personalidades de destaque em diversos ramos das ciências, letras e artes no país em duas categorias: Vida e Obra, em reconhecimento à obra consolidada de um especialista, e Juventude, que premia jovens talentos. Em 2015, o prêmio contemplou quatro profissionais das áreas de Recuperação de Solos Degradados para a Agricultura e Saneamento Básico e Manejo de Água. Além disso, realizamos, em parceria com a FAPESP, um Seminário Internacional sobre as duas áreas de premiação, com mais de 200 participantes. Desde a sua criação, já foram homenageadas 183 pessoas.

A disseminação do conhecimento também é o foco do projeto Conhecer para Sustentar, que foi criado com o objetivo de difundir o aprendizado técnico e científico obtido após a tragédia ocorrida no Vale do Itajaí (SC), em 2008, quando enchentes e desmoronamentos afetaram mais de 1,5 milhão de pessoas, matando ao menos 135 pessoas. Em 2015, o projeto foi finalizado com a inauguração da escola de Educação Básica Professora Angélica de Souza Costa, com capacidade para 300 alunos, construída a partir de um projeto arquitetônico de bases ecoeficientes e sustentáveis, com salas de aula flexíveis e multifuncionais, sistema próprio de tratamento de esgoto, telhado verde e espaço de leitura, entre outros.

Em 2015, a Fundação Bunge e o Prêmio Fundação Bunge completaram 60 anos de investimentos em prol do desenvolvimento da educação, cultura e ciências no Brasil. Para celebrar a data, a entidade realizou uma série de seminários ao longo do ano, discutindo temas como a longevidade das instituições sociais, os desafios dos jovens pesquisadores e a contribuição da ciência na transformação social. Os resultados desses encontros foram compilados em publicações sobre os temas. Mais informações sobre o Prêmio Fundação Bunge em: http://www.fundacaobunge.org.br/projetos/premio-fundacao-bunge

 

INVESTIMENTOS EM PROJETOS DA FUNDAÇÃO BUNGE (EM MIL R$)

 

2013

2014

2015

Comunidade Educativa

1.533

1.423

1.544

Prêmio Fundação Bunge

1.246

1.106

1.275

Centro de Memória Bunge

831

1.040

1.039

Projeto Conhecer para Sustentar

122

3.171

----------------

Comunidade Integrada

1.552

2.078

1.032

Despesas administrativas, financeiras 
e com comunicações

3.494

4.020

4.514

Total

8.781

12.838

9.404

 

Saiba mais sobre a Fundação Bunge em www.fundacaobunge.org.br

TOPO