Governança e Gestão de Riscos

A Bunge mantém mecanismos de governança corporativa para difundir a visão, a missão, os valores e as políticas para todos os seus colaboradores. Esses mecanismos são importantes porque orientam nossos processos e atitudes de forma estratégica, em direção ao crescimento sustentável dos negócios e do país e à construção de relacionamentos éticos e transparentes com os nossos diversos públicos.

Estrutura de governança

G4-34 G4-35 G4-38

Na Bunge Brasil, o principal órgão de governança é o Comitê Executivo (COE). Responsável pelas decisões estratégicas e pela definição de temas e ações a serem desenvolvidas pelas áreas de negócio e corporativas, o COE orienta-se pelos objetivos estratégicos e diretrizes traçados pela matriz da empresa nos Estados Unidos, sempre pautado pela sustentabilidade.

Composto por membros que não possuem mandatos pré-estabelecidos, o COE reúne-se pelo menos uma vez por mês e é formado pelo CEO (que é também o coordenador do Comitê) e pelos vice-presidentes das áreas de negócio, Finanças, Gente & Gestão e Assuntos Corporativos.

 

Principais temas relacionados a sustentabilidade tratados pelo COE em 2015 

G4-50

  • Política de Não Desflorestamento
  • Protocolo Verde de Grãos do Pará
  • Certificação Sustentável de Soja
  • Moratória da Soja
  • Tendências em sustentabilidade que afetam relacionamentos nos negócios.

 

 

A estrutura de governança contempla também o COE ampliado, que agrega os executivos diretamente subordinados aos vice-presidentes. O COE ampliado reúne-se trimestralmente para debater resultados e temas de impacto nos negócios da empresa.

A gestão estratégica da sustentabilidade é atribuição da vice-presidência de Assuntos Corporativos, que conta com apoio técnico da área de Sustentabilidade. O VP de Assuntos Corporativos responde pelos temas relacionados à sustentabilidade tanto junto ao COE quanto junto ao COE ampliado, e também pelo desenvolvimento e aprovação das políticas específicas relacionadas à sustentabilidade.

G4-36  G4-39   G4-40 G4-42  G4-45  G4-47

Os aspectos ambientais das operações da empresa são tratados por subcomitês subordinados à área de PQSE (Produtividade, Qualidade, Segurança e Meio Ambiente), com a qual a Sustentabilidade relaciona-se diretamente. Já os aspectos sociais de impacto na cadeia de suprimentos envolvem a área de Sustentabilidade e as equipes de Originação de commodities e de compras de materiais e de serviços. A área de Gente & Gestão conta com diretorias específicas para desenvolvimento profissional dos colaboradores e gerenciamento de processos da empresa.

A estratégia da companhia é revisada anualmente, com o objetivo de assegurar que a gestão de impactos, riscos e oportunidades decorrentes de questões econômicas, ambientais e sociais esteja alinhada às expectativas de desempenho e aos interesses dos nossos stakeholders. Nesse processo, consideramos a opinião e o envolvimento dos públicos de interesse, que são formalizados na Matriz de Materialidade, que é aprovada pelo VP de Assuntos Corporativos e validada pelo COE (saiba mais em Engajamento de Nossos Públicos). Essa Matriz é também a base para o desenvolvimento deste Relatório de Sustentabilidade.

G4-46  G4-48  G4-49

Visão, Missão e Valores
Transparência e ética

Acreditamos na importância da promoção de um relacionamento claro e franco entre os integrantes do Comitê Executivo e os colaboradores da empresa. Por isso, existem canais, como a intranet e os endereços sustentabilidade@bunge.com e bunge.comunicacao@bunge.com, para que os funcionários façam suas sugestões e recomendações aos membros do COE. Essa atitude contribui para fortalecer o fluxo das informações entre líderes e liderados. 

G4-37

Com o objetivo de aprimorar a condução dos negócios, garantindo retorno financeiro adequado das operações, as pautas de reuniões do COE ampliado incluem palestras e debates com profissionais de renome em suas áreas de atuação, abordando temas econômicos e socioambientais, qualificação e engajamento dos colaboradores, comunidades e meio ambiente, além de assuntos relacionados aos projetos da Fundação Bunge. 

G4-43

O processo de avaliação dos membros do COE é uniforme e transparente, pois é realizado com base em metas de desempenho, a exemplo do que ocorre com os demais colaboradores da empresa. Para isso, são utilizadas ferramentas de autoavaliação, indicadores de performance previamente estabelecidos, resultados da área de negócio, além do desempenho geral da companhia em questões econômicas, financeiras, sociais, ambientais e de segurança. O desempenho em todos esses aspectos influencia a remuneração variável dos integrantes do COE. 

G4-44

CEOs têm meta em sustentabilidade

Desde 2015, o presidente e CEO da Bunge Brasil possui uma meta específica em sustentabilidade, que é desdobrada para os vice-presidentes da empresa. Essa meta faz parte da avaliação de desempenho que influencia na remuneração variável dos executivos e é baseada na meta em sustentabilidade do CEO global da companhia, que é desdobrada para as subsidiárias.

 

Políticas e gestão de riscos

A governança da Bunge conta com diferentes instrumentos, como auditorias internas e externas e o Código de Conduta, além de políticas que orientam o comportamento de todos os colaboradores. Essas ferramentas direcionam nossas ações para uma conduta ética, transparente e de acordo com as leis e normas regulatórias do país.

A empresa possui ainda projetos que contribuem para apoiar os negócios na gestão de riscos. Um desses projetos é o Enterprise Risk Management (ERM), que mapeia os riscos estratégicos, operacionais, de crédito ou de mercado. Todos os riscos são monitorados continuamente e, para aqueles mais relevantes, traçamos planos de mitigação. Por sua importância para os negócios da Bunge, os riscos de mercado são acompanhados por um projeto específico, que identifica possíveis impactos nas atividades industriais e de trading (compra e venda de commodities) e calcula as consequências que a alteração desses fatores pode trazer nos resultados.

Para direcionar o desenvolvimento dos negócios, em linha com a sustentabilidade, contamos também com políticas específicas, tais como: Política Anticorrupção, Política de Biodiversidade (saiba mais no capítulo Promoção da Agricultura Sustentável), Política de Patrocínios, Política de Relacionamento com Fornecedores, Política de Originação de Óleo de Palma, Política de Não Desflorestamento e Política de Sustentabilidade.

Auditorias

Na Bunge Brasil, as auditorias, realizadas pela Auditoria Interna Global (GIA), apoiam o Conselho de Administração da Bunge Limited na supervisão da governança, gerenciamento de riscos e do ambiente de controles internos. Além disso, auxiliam a companhia a atingir seus objetivos através de uma abordagem sistemática, proativa, disciplinada, para avaliar e melhorar a efetividade dos controles, processos de governança e operações. A empresa também possui auditorias independentes que emitem relatórios sobre a adequação das demonstrações financeiras. Por fim, a Bunge Brasil conta com uma área de Ética e Compliance, responsável por auditorias relacionadas a fraude e corrupção.

Código de Conduta

Integridade é um dos valores fundamentais da Bunge: honestidade e justiça direcionam todas as nossas ações e fazem com que sejamos conhecidos no mercado como uma empresa séria, competente e com boa reputação. A Bunge atualizou seu Código de Conduta em 2014, divulgando as mudanças para todos os funcionários da empresa, em todo o mundo. A novidade é o formato mais amigável do documento: as informações estão divididas por capítulos, trazem figuras, exemplos e “perguntas e respostas”, para facilitar o entendimento sobre questões do dia a dia.

O código estabelece diretrizes para a conduta exigida do presidente, vice-presidentes, diretores, gerentes e demais funcionários em toda a empresa. Adotamos um documento único tanto na Bunge Limited quanto nas suas subsidiárias. O CEO de cada organização é responsável pela adoção e pela aplicação dessas diretrizes em cada uma das empresas. Mas, exatamente por ser uma companhia global, a Bunge está sempre atenta e sensível às questões culturais dos países em que está presente. Isso significa que atuamos com respeito às comunidades e ao ambiente em que realizamos negócios.

Por exemplo, o código dispõe sobre como evitar e tratar conflitos de interesse. Estabelece que funcionários de todos os níveis hierárquicos não podem se envolver em situações em que interesses particulares interfiram, ou pareçam interferir, nos interesses da empresa. Caso sejam identificadas ações dessa natureza, os funcionários devem comunicar imediatamente seu superior imediato, Departamento Jurídico ou a área de Ética e Compliance Global (GEC).

Quando o funcionário não estiver exercendo sua função na empresa, não poderá revelar ou utilizar qualquer informação relacionada à Bunge sem autorização, mesmo que a informação não seja confidencial, exclusiva ou reservada. O Código de Conduta classifica informações sigilosas como aquelas que não são de domínio público, que possam ser úteis para concorrentes. O Código de Conduta da Bunge está disponível aqui

G4-41 G4-56 G4-57 G4-58

Política Global de Sustentabilidade

Tem o compromisso de promover o desenvolvimento com equilíbrio entre crescimento econômico e responsabilidade socioambiental. A diretriz principal baseia-se na busca da sustentabilidade em todos os nossos negócios.

Princípios:

  • Nós nos esforçamos para sermos bons cidadãos ao contribuir para o desenvolvimento social e econômico das comunidades onde atuamos.
  • Nós trabalhamos para alcançar alto nível de performance ambiental ao adotar as melhores práticas efetivas que sejam fundamentadas na ciência, respeitando as culturas, e ao promover essas práticas em nossa cadeia de suprimentos.
  • Nós promovemos parcerias com companhias e organizações para aplicação de práticas sustentáveis.
  • Nós comunicamos nossas atividades com transparência e temos um diálogo construtivo com os públicos de relacionamento.
  • Nós empregamos esses princípios em nossas operações para o cumprimento das metas globais e locais.
Política de Sustentabilidade Bunge Brasil

Alinhada à política global e validada em consulta a stakeholders, permite reunir todas as áreas de atuação ao estabelecer compromissos compartilhados. Seu objetivo é promover o equilíbrio entre o crescimento econômico e a responsabilidade socioambiental.

Princípios

Dia a dia

Associar os objetivos de negócios 
às questões de responsabilidade socioambiental.

Todos os nossos negócios são regidos pela responsabilidade socioambiental. Desde as definições de expansão em Açúcar & Bioenergia até as possibilidades da utilização de resíduos pós-consumo, com investimentos e oportunidades de manutenção de um ciclo sustentável para os projetos e as parcerias.

Procurar ir além do cumprimento da legislação ambiental local e de outros requisitos aplicáveis a seus processos, produtos e serviços.

A Bunge participa da Moratória da Soja Amazônica; em nossos processos, buscamos certificações que atestem nosso desempenho em sustentabilidade, como a ISO 14000, qualificação pelo EPA norte-americano, o Selo Compromisso Nacional e a Certificação Bonsucro, além de participar de compromissos pelo fim de queimadas em canaviais; em produtos, atuamos na logística reversa das embalagens.

Promover a melhoria contínua do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável, aplicando princípios de gerenciamento, indicadores de desempenho e avaliações de risco ambiental.

Adotamos o suplemento setorial do GRI em 2011. Nesta edição do Relatório, já aplicamos a última geração dos indicadores GRI, a G4. Em 2015, a Bunge desenvolveu e iniciou o uso de sistema de gestão de indicadores ambientais, para coleta, consolidação e análise do desempenho ambiental de todas as plantas da empresa.

Investir na formação de parceiros, que devem entender os conceitos empregados e apresentar sua visão do processo.

Reunimos em torno de nós vários parceiros para a promoção do desenvolvimento sustentável. Entre eles estão entidades de classe, ONGs, instituições públicas, fornecedores e clientes que compõem alianças em projetos de sustentabilidade.

Manter postura ética e transparente em todas as atividades e nos relacionamentos de negócio. 
Gerar valor, empregos, renda e riqueza para comunidades e países em que operamos.

Mantemos a política que propõe o atendimento de 100% das demandas da imprensa. Com as análises de materialidade, promovemos a comunicação balanceada e transparente sobre os principais temas de interesse. Para as áreas de negócios e suprimentos, seguimos uma política aberta ao público sobre nossos relacionamentos com fornecedores.

Demonstrar responsabilidade social, procurando atender às expectativas das comunidades em que atuamos e promover o uso responsável dos recursos naturais.

Nossos investimentos sociais correspondem às atividades que assumimos com as diversas comunidades. São programas e projetos que trazem benefícios diretos às comunidades, como interações sociais e valorização de iniciativas locais. Especificamente, contribuímos com a preservação da Mata Atlântica, com a manutenção da Reserva Figueira Branca, em Santa Catarina.

Contribuir para o desenvolvimento da cidadania por meio de ações de valorização da educação e do conhecimento.

Por meio da Fundação Bunge, nossos colaboradores voluntários atuam diretamente nas comunidades adjacentes às nossas operações. Nossos programas agregam milhares de pessoas em todo o Brasil.

 

Política de Meio Ambiente

Apoia a condução dos nossos negócios de modo a promover o compromisso com a qualidade ambiental.

Princípios:

  • Cumprir as leis e requisitos ambientais aplicáveis aos nossos processos, produtos, serviços e projetos.
  • Promover a melhoria ambiental contínua por meio da aplicação de princípios de gerenciamento ambiental, de avaliações de risco ambiental e do desempenho ambiental de nossas instalações, processos, produtos, serviços e projetos.
  • Buscar o desenvolvimento sustentável por meio da prevenção da poluição, minimização de resíduos, reuso e reciclagem em nossos processos, produtos, serviços e projetos.
  • Demonstrar responsabilidade social, procurando atender às necessidades ambientais de nossas comunidades e promovendo o uso responsável dos recursos naturais.
  • Engajar nossos colaboradores em esforços de sustentabilidade relacionados ao meio ambiente e proporcionar treinamentos para aperfeiçoar as práticas de gestão ambiental.
Política de Relacionamento com Fornecedores

Procuramos garantir processos transparentes nas compras e nos relacionamentos com nossos parceiros comerciais, por isso desenvolvemos uma política para fornecedores. Nosso objetivo é manter a governança e os padrões de sustentabilidade em nossas operações, do início ao fim da cadeia produtiva.

Princípios:

Adoção de princípios e mecanismos necessários para a prevenção, detecção e erradicação da corrupção, dispostos na Convenção da ONU contra a Corrupção. Assim, o fornecedor deve se comprometer e se responsabilizar a observar toda e qualquer lei anticorrupção aplicável, incluindo as normas de proteção e combate à lavagem de dinheiro ou ocultação de bens, direitos e valores e práticas ilegais de natureza similar em todas as jurisdições de relacionamento com a Bunge.

G4-HR5  G4-HR6

As obrigações dos fornecedores incluem:

  • A proibição de realizar pagamentos, oferecer bens ou qualquer tipo de vantagens a servidores públicos com o objetivo de obter ou reter negócios, ou ainda, obter vantagens indevidas;
  • A obrigação de que todas as operações relacionadas ao objeto contratado sejam refletidas adequadamente em seus livros e registros;
  • Não utilizar, direta ou indiretamente, mão de obra infantil ou irregular de adolescente, conforme definição da legislação aplicável; e
  • Não adquirir, intermediar, transportar ou comercializar produto ou subproduto de origem animal ou vegetal produzido sobre áreas objeto de embargo, conforme definição da legislação brasileira (Decreto 6.514/08).

O fornecedor deve se comprometer, ainda, a produzir as mercadorias respeitando integralmente as legislações trabalhista, previdenciária e social, bem como os demais dispositivos legais relacionados à proteção dos direitos humanos, abstendo-se, principalmente, de impor aos seus colaboradores condições ultrajantes ou subumanas de trabalho, incluindo aquelas comparáveis a de trabalho escravo, restringir o direito constitucional de ir e vir ou ameaçá-los ou agredi-los fisicamente por qualquer razão que seja, inclusive, por dívidas de qualquer natureza.

O fornecedor deve declarar e garantir que: 

  • Todas as informações por ele prestadas à Bunge, em qualquer outra oportunidade, são verídicas, completas, corretas e exatas;
  • Dispõe de todo o conhecimento, experiência, qualificação, mão de obra, infraestrutura, materiais, ferramentas e insumos necessários para a realização do bem comercializado à empresa;
  • Obterá e manterá, às suas próprias custas e responsabilidades, nos prazos legais, todos os registros, licenças, autorizações, aprovações, alvarás, vistorias e outras exigências formuladas pelas autoridades competentes para a regulamentação de sua atividade, tais como entidades fiscalizadoras do exercício das profissões, Ministérios e Secretarias da Saúde, do Trabalho e do Meio Ambiente, Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), agências regulatórias, Banco Central do Brasil, órgãos da Administração Pública Direta e Indireta, Ibama, dentre outros;
  • A atividade desenvolvida não poderá originar produtos (soja) de áreas desflorestadas após julho de 2008 e não utilizará como recurso trabalhadores com idade inferior à mínima legal, ou ainda com violação às normas legais sobre salário-mínimo, jornada de trabalho, dentre outras.

O fornecedor deve declarar que se responsabiliza pelo cumprimento de todas as leis, regulamentos e atos normativos pertinentes à proteção ambiental, sanitária e de biossegurança, mantendo, inclusive, as áreas destinadas à Reserva Legal e de Preservação Permanente (APPs) e as licenças necessárias para o pleno desenvolvimento de suas atividades, bem como se obriga a adotar todas as medidas cabíveis para produzir a mercadoria vendida, observando as melhores práticas agrícolas, sem qualquer agressão, perigo ou risco ao meio ambiente, assumindo expressamente todos os ônus ou sanções que decorram de eventuais infrações dessa natureza, seja de natureza administrativa, civil, ou ainda penal.

O fornecedor deve declarar, também, fazer uso racional dos agroquímicos durante todas as etapas do processo (plantio, desenvolvimento e colheita), seguindo receituários agronômicos e respeitando os períodos de carência, garantindo atendimento à legislação vigente.

A Bunge se reserva o direito de rescindir compromissos de compra e venda na hipótese do fornecedor vir a ser embargado/autuado pelas autoridades competentes por descumprimento de suas obrigações legais relativas ao meio ambiente, e aos direitos humanos, ou ainda, em desrespeito à Moratória da Soja, originando produtos em áreas desflorestadas após julho de 2008.

Tendo em vista o disposto nos artigos 18, 47 e 54 do Decreto Federal nº 6.514/08, obriga-se o fornecedor de produto a comunicar imediatamente à Bunge caso a área seja embargada/autuada, bem como encaminhar à Bunge uma cópia dos termos de embargo/auto de infração e a substituir os produtos desta área embargada por outros cultivados em áreas não embargadas, e para tanto deverá apresentar documentos comprobatórios do atendimento a legislação ambiental.

Política de Não Desflorestamento

A Bunge acredita que todas as cadeias de valor agrícolas devem ser sustentáveis e devem beneficiar as comunidades locais em termos econômicos e sociais. Nossa empresa se compromete a aplicar políticas em seus negócios e em suas cadeias de valor que reflitam essas crenças, e a colaborar com as partes interessadas e com outros participantes da cadeia de valor — dos produtores aos consumidores — para desenvolver abordagens práticas que permitam a implementação em grande escala.

Com esta visão, a Bunge Limited publicou, em setembro de 2015, a Política de Não Desflorestamento, que possui abrangência global. Nesse documento, a Bunge se compromete a:

  • Eliminar o desflorestamento de suas cadeias de suprimentos agrícolas ao redor do mundo, empregando metodologias comprovadas que incorporam proteção de carbono e de biodiversidade;
  • Respeitar os direitos de comunidades locais e indígenas, aplicar o consentimento livre e informar com antecedência a compra e uso de terras;
  • Melhorar a rastreabilidade e a transparência de cadeias de suprimentos-chave;
  • Divulgar publicamente os progressos obtidos em nossos esforços.

Em 2016, todas as subsidiárias da Bunge trabalharão em conjunto para definir o Plano de implementação dos compromissos acima assumidos. Acesse o conteúdo completo da nova política em: www.bunge.com.br/sustentabilidade/politicas

Combate à corrupção

A Bunge é uma empresa com atuação global e nossa política é conduzir os negócios de forma ética e respeitar a legislação anticorrupção. Uma das referências é o FCPA (Foreing Corrupt Practices Act), lei federal norte-americana que visa combater a corrupção por pessoas ou empresas, cujas principais disposições estão nas áreas contábil e anticorrupção. As violações ao FCPA têm sérias consequências para a empresa e para os funcionários, sendo que o governo norte americano impõe multas elevadas aos infratores. Adicionalmente, em 2014, o governo brasileiro aprovou a Lei Anticorrupção, que igualmente pune empresas e empregados por práticas de atos corruptos envolvendo funcionários públicos.

Não toleramos práticas que possam ser consideradas atos de corrupção. Por isso, há políticas que abrangem tais questões, como o Código de Conduta para funcionários e a Política de Relacionamento com Fornecedores. Há, ainda, a Política Global Anticorrupção, implementada em julho de 2014, mais abrangente, com requerimentos de avaliação de prestadores de serviços e fornecedores, controles sobre gastos e despesas com refeições e viagens com entidades governamentais, políticas de doações, presentes e brindes, treinamento, e-learning, divulgação, canal de denúncia e certificação sobre política anticorrupção (até o nível de coordenação).

Em 2015, 4.456 funcionários em todos os níveis receberam treinamento online e/ou presencial sobre o Código de Conduta e Política Anticorrupção e 100% das operações comerciais realizadas pela empresa foram submetidas aos requisitos da Política Anticorrupção.

G4-SO3

Além disso, existem cláusulas correspondentes à Política Anticorrupção em todos os contratos firmados com fornecedores da Bunge. 

G4-SO4

Violações ao Código de Conduta podem ser notificadas pelos públicos interno e externo ao mais alto grau de governança da Bunge por meio da intranet, além de reuniões com diretorias e lideranças locais. Também podem ser utilizados os endereços sustentabilidade@bunge.com, comunicacao@bunge.comwww.bunge.com/helpline ou ainda o telefone 0800-892-1879, com atendimento por parte de empresa independente especializada. 

G4-57  G4-58

Casos de corrupção

G4-SO5

Em 2015, não registramos casos de corrupção envolvendo funcionários da Bunge em seu relacionamento com órgãos públicos. Nem a empresa nem seus colaboradores foram alvo de processos judiciais relacionados ao tema.

Contudo, seis funcionários foram afastados em consequência de desvios de comportamento relacionados a conflitos de interesse, desvio de mercadorias, propinas pagas por transportadores, fornecedores e prestadores de serviço para funcionários das áreas de logística, compras e outros setores contratantes, visando a obtenção de vantagens indevidas em processos de contratação de produtos e serviços. 

 

Outros compromissos

Entendemos que todos os relacionamentos entre nossos funcionários, e desses com os públicos externos, devem seguir padrões morais e éticos de conduta. Assim, assumimos o compromisso público de repúdio à exploração de mão de obra infantil em toda a nossa cadeia produtiva. No que diz respeito à valorização da diversidade, encorajamos nossos parceiros comerciais a manterem seus quadros de colaboradores com uma composição representativa do perfil das populações das áreas onde atuam.

Também consideramos que o respeito nas relações entre as pessoas é fundamental. Por isso, condenamos qualquer atitude de assédio sexual ou moral, interna ou externamente às nossas instalações, e preparamos as áreas de recursos humanos e de desenvolvimento organizacional para lidar com quaisquer denúncias a esse respeito. As práticas que possam ser consideradas atos de corrupção também não são toleradas. O Código de Conduta e as relações com os fornecedores e demais públicos abrangem políticas contra essas práticas.

 

Novo Blue Book

Há 10 anos a Bunge lançou a primeira edição do Blue Book: um pequeno, porém importante documento que, de maneira sucinta e simples, descreve quem somos enquanto empresa, as aspirações em nosso trabalho e o impacto positivo que provocamos no mundo.

Em 2015, o Blue Book foi revisado, considerando os avanços e a evolução da Bunge nos últimos 10 anos. Muitas das ideias são as mesmas da versão anterior. A novidade fica por conta dos quatro comportamentos-chave:

  • Colocamos a Segurança em primeiro lugar;
  • Agimos como donos;
  • Buscamos ser os melhores;
  • Cultivamos um espírito empreendedor.

Clique aqui para acessar o Blue Book e saber mais sobre o modo de ser Bunge.

Compromissos e boas práticas

Afinados com os nossos valores e políticas, assumimos compromissos que visam incentivar a adoção de boas práticas em nossos setores de atuação e, assim, contribuímos para o desenvolvimento sustentável do país. Destacamos nosso apoio e aderência aos seguintes compromissos e práticas:

  • Moratória da Soja, na Amazônia Brasileira, iniciada em 2006;
  • Pacto pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil. A partir de novembro de 2013, com a criação do Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo, a Bunge passou a ser representada pela associação de classe Abiove;
  • Compromisso Nacional para Aperfeiçoar as Condições de Trabalho na Cana-de-Açúcar;
  • Não adquirimos produção agrícola originada de áreas embargadas pelo Ibama, autarquia federal responsável pela execução da Política Nacional do Meio Ambiente (PNMA);
  • Por meio da Abiove, somos signatários do Protocolo Verde dos Grãos no estado do Pará, que é o protocolo de responsabilidade socioambiental para os grãos provenientes da agricultura local;
  • Disseminação, capacitação, verificação e reconhecimento das práticas de sustentabilidade adotadas pelos fornecedores na cadeia produtiva agrícola;
  • Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, da Organização das Nações Unidas (ONU);
  • Acordo Setorial de Embalagens para logística reversa de resíduos pós-consumo, relacionado à Política Nacional de Resíduos Sólidos. 

G4-15

Nossa responsabilidade socioambiental expressa-se ainda por meio da nossa participação em fóruns e projetos promovidos por instituições ligadas às áreas de negócio:

  • Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo)
  • Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia)
  • Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove)
  • Better Sugarcane Initiative (Bonsucro)
  • Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre)
  • União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

G4-16

Prêmios e reconhecimentos

Em 2015, recebemos 32 premiações em reconhecimento à qualidade de nossos produtos e a nossa gestão nas áreas econômica, ambiental e social.

A empresa mais sustentável do Brasil

A Bunge Brasil foi eleita a empresa mais sustentável de 2015 pelo Guia Exame de Sustentabilidade, o mais respeitado prêmio do setor. A empresa também foi reconhecida como a empresa mais sustentável do Agronegócio, pelo sétimo ano consecutivo.

Publicado pela Editora Abril, o Guia é a maior referência na área e premiou as 68 empresas que se destacaram na gestão da sustentabilidade em 21 setores, além das melhores em dez categorias diferentes. A escolha da Bunge como empresa do ano se deu pela consistência das nossas ações em sustentabilidade, que desde 2009 são reconhecidas no segmento do agronegócio brasileiro.

Entre as Melhores Empresas para Você Trabalhar

Em 2015, a Bunge Brasil foi incluída pela revista Você S/A no ranking das 150 Melhores Empresas para Você Trabalhar no Brasil. Esta seleta lista de empresas reconhece as empresas que mais valorizam seus funcionários, com base em suas práticas de gestão de pessoas e na opinião dos próprios colaboradores.

Veja abaixo a lista completa de prêmios:

 

 

 

TOPO