Por meio de uma atuação responsável, a Bunge desenvolve projetos com o objetivo de disseminar e aplicar os conceitos de Sustentabilidade em toda sua cadeia de valor.
Iniciativas, Parcerias e Projetos de Sustentabilidade
As iniciativas e projetos de sustentabilidade desenvolvidos pela Bunge Brasil estão alinhados à estratégia de gestão da empresa.

A Bunge Brasil participa de diversos projetos que se relacionam com o público interno e externo da empresa, envolvendo colaboradores, terceiros, comunidades locais e a sociedade como um todo.

Planeta Sustentável
Planeta Sustentável

O Planeta Sustentável é uma grande plataforma de comunicação em Sustentabilidade, que reúne 38 publicações da Editora Abril. Esta iniciativa é apoiada por diversas empresas: Bunge Brasil, CPFL Energia, SABESP, Petrobras, Grupo Camargo Corrêa e CAIXA.

O movimento Planeta Sustentável tem como sistemática de atuação a combinação de um detalhado planejamento anual à realização de novas ações para atender a missão de disseminar informação e referências sobre sustentabilidade.

Veja também: www.planetasustentavel.com.br

Diversidade Bunge

O programa corporativo "Diversidade Bunge" foi organizado para incluir ou preparar as pessoas com deficiências (PCD) e reabilitados da Previdência Social na Bunge Brasil, um dos pilares da Política de Diversidade. Por meio dele, promovemos possibilidades de crescimento profissional baseado na crença de que, quando há pessoas diferentes em um time, há mais ideias e sugestões para impulsionar os negócios e satisfazer os clientes.

Bunge Natureza
Bunge Natureza

Lançado em 2005 na unidade de Gaspar (Alimentos & Ingredientes), o programa Bunge Natureza já recuperou em torno de 500 mil metros quadrados de áreas degradadas. Em 2011, o programa foi expandido e a administração transferida para a área corporativa de Sustentabilidade, tendo como novo foco o suporte às necessidades da Companhia. Isso contribui para que os colaboradores estejam engajados na melhoria contínua da gestão ambiental e que tenham melhores condições de interagir com as comunidades do entorno de todas as unidades da área de negócios.

Para controlar os impactos que as atividades da Bunge podem causar nas comunidades em que está opera, o programa promoveu, em 2011, um diagnóstico das unidades produtivas da Bunge, fazendo uma análise das variáveis críticas identificadas em cada local.

Buscou-se organizar as demandas socioambientais nas unidades, como os impactos ambientais gerados localmente e que resultam em questionamentos por parte das comunidades. A partir daí, é formulado um plano para a redução dos impactos levantados, elaborado de forma construtiva e colaborativa. O programa aplicou ao longo de 2011 análises sobre todas as unidades no Brasil, buscando diagnosticar as externalidades existentes das operações da empresa sobre as comunidades onde opera.

Bunge Natureza
2011 28 mil m2 de áreas recuperadas
Mais de 43 mil sementes nativas da Mata Atlântica coletadas
38 mil mudas produzidas
1.478 pessoas entre alunos, professores e comunidade participantes em atividades de educação ambiental

O Bunge Natureza concentra outros programas e estruturas direcionados à promoção da educação e recuperação ambiental, produção de mudas, restauração e conservação de mata ribeirinha. Conheça-os a seguir:

CDAL

O Programa Bunge Natureza mantém dois Centros de Divulgação Ambiental e Lazer (CDAL), em Gaspar (SC) e Jaguaré (SP). Eles estão localizados próximos a duas unidades da empresa e mantêm projetos socioambientais para a comunidade, estudantes, parceiros, colaboradores e familiares.

Em Jaguaré (SP), o programa promove o cultivo de hortas comunitárias e hidroponia, além do projeto Fazendo Educação Ambiental Através das Artes. Iniciado em 2008, busca despertar a consciência ambiental, sensibilizar, educar e promover o interesse às questões ambientais. Colaboradores da Bunge e seus familiares, parceiros, família e comunidade do entorno da unidade participam de aulas de educação ambiental, música, cultivo, artesanato, piscicultura, dança, artes cênicas e atividades esportivas.

Em Gaspar (SC), o programa tem como linhas de atuação Pesquisa, Recuperação, Conservação e Educação Ambiental. Realizado através de parceria entre a Bunge e a Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB), recebeu reconhecimento por seus relevantes serviços à comunidade.

Centros de Divulgação Ambiental e Lazer Bunge

Programa de Recuperação Ambiental

O Programa de Recuperação Ambiental (PRA), resultado da parceria técnica e científica entre a Bunge Alimentos e a Universidade Regional de Blumenau (FURB), mapeia, pesquisa e recupera os ambientes aluviais da região, além de divulgar métodos e resultados científicos obtidos com esse trabalho. Implantado em 2005, sob a chancela do Bunge Natureza, o PRA é a continuidade de um diagnóstico realizado em 2001 pela universidade e Embrapa/PR sobre as condições da mata ciliar do rio Itajaí-Açu. O relatório inicial apontou quais eram as espécies de vegetais existentes na região, de tal forma que fossem identificadas aquelas a serem reintroduzidas nas áreas degradadas. Este primeiro levantamento deu origem a uma lista de espécies vegetais para o plantio.

Atualmente a iniciativa dedica-se à produção de mudas nativas, restauração e conservação das matas ciliares na Bacia do Rio Itajaí. As atividades voltadas à recuperação ambiental envolvem desde a coleta de sementes e produção de mudas de árvores nativas até o plantio para restauração da faixa de floresta ciliar. Desde 2005 a área em processo de recuperação ambiental atingiu o total de 807.213 m², sendo 136.530 m² em 2011.

Programa de Recuperação Ambiental Bunge

Programa de Recuperação Ambiental - PRA  
Ano Área em Processo de Recuperação Ambiental (m2) Área de Pesquisa em Recuperação Ambiental (m2) Sementes Coletadas Mudas Produzidas Mudas Plantadas Mudas Doadas Parceiros Municípios Abrangidos (NOVOS)
2005 14.000 0 101.696 32.737 2.465 0 1 1
2006 33.325 12.225 572.539 25.813 10.949 18.563 9 2
2007 45.596 15.300 424.741 35.837 7.663 3.626 12 2
2008 150.009 4.500 60.479 37.277 21.697 2.315 112 11
2009 224.813 0 60.208 44.380 22.290 5.044 56 6
2010 202.940 6.000 33.118 19.227 30.295 6.106 45 3
2011 136.530 500 43.750 38.511 16.720 2.208 120 49
Total Acumulado 807.213 38.525 1.296.531 233.782 112.079 37.862 355 2


Em 2011 este programa do CDAL atendeu 1.478 pessoas, entre alunos, professores e comunidade em geral, apoiou 7 projetos escolares e orientou em questões socioambientais 26 instituições. Além disso, desenvolveu 27 ações com colaboradores e parceiros, envolvendo 1.712 pessoas.

Figueira Branca

Figueira Branca Bunge

Já a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Figueira Branca, exemplo de ação de preservação ambiental da Bunge, recebeu em 2011 o total de 170 visitantes. Também localizada em Gaspar (SC), ocupa aproximadamente 300 hectares e é mantida pela Bunge como legado de biodiversidade às gerações futuras.

Espaço lúdico de sensibilização para as questões ambientais, a Figueira Branca atrai visitas de escolas da cidade e municípios próximos, além da comunidade da região, que vai à reserva conferir a riqueza da Mata Atlântica. A reserva é também uma fonte de coleta de sementes para o viveiro de mudas do CDAL, que abastecem o Programa de Recuperação Ambiental (PRA) da Bunge.

A Bunge possui ainda duas outras reservas ambientais que representam juntas uma área de conservação de 30 mil hectares (30 milhões de metros quadrados) no estado do Tocantins (TO). Nessas áreas de preservação, a Companhia promove o manejo sustentável.

Pomar Urbano

O Pomar Urbano nasceu em 1999, como Projeto Pomar. Implantado pela Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, contou com a colaboração de técnicos de diversas áreas e parceiros da iniciativa privada, determinados a transformar as margens do rio Pinheiros.

A Bunge é uma das parceiras do Pomar Urbano. Com o projeto, espécies vegetais nativas estão de volta às margens do rio, colaborando com a despoluição, incentivando a educação ambiental e promovendo o retorno de algumas espécies da fauna silvestre, que já voltam a circular pela cidade.

Veja também: http://www.ambiente.sp.gov.br/wp/pomar/

Pomar Urbano
(Fonte: Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo)

Colaborador Sustentável
Colaborador Sustentável

A Bunge Brasil apoia e propaga o conceito de “pegada socioecológica”, expressão utilizada para definir o quanto cada pessoa contribui para a redução dos impactos ambientais e desequilíbrios sociais em comunhão com seus objetivos pessoais. Por isso, no final do segundo semestre de 2011, a empresa lançou o programa ‘Colaborador Sustentável’, cuja missão é sensibilizar seus profissionais ao relacionar temas de sustentabilidade com metas pessoais para, além de uma mera campanha, transformar seus hábitos.

O objetivo é trazer o tema “Sustentabilidade” para o dia a dia das pessoas, com a aplicação de metas que são relevantes cada indivíduo. Tais metas são associadas aos grupos de metas da empresa e, com isso, cada pessoa poderá melhor colaborar no desdobramento das estratégias da Bunge ao mudar seus hábitos de vida.

Foram desenvolvidas diversas peças motivacionais e informativas para serem utilizados pelas unidades, como banners, descanso e starters de tela dos computadores, comunicados internos e murais, além do site do programa.

O programa é dividido em oito temas, relacionados ao dia a dia dos colaboradores da Bunge Brasil:

Colaborador Sustentável - Temas

 

Soya Recicla
Soya Recicla

O óleo de cozinha usado é encaminhado para a usina de reciclagem do Instituto Triângulo, que tem como objetivo contribuir para a sensibilização dos cidadãos quanto ao descarte mais adequado do resíduo, criando mecanismos para que a reciclagem de óleo, após seu uso, se torne uma prática comum.

Pontos de Entrega Voluntária (PEV) de Óleo
Para que o consumidor possa retornar o óleo usado para reciclagem, a parceria mantém uma rede de coleta com mais de 1.200 postos, a maior rede de entrega voluntária do País, segundo os relatórios publicados.

Clique aqui e veja a localização de todos os PEV´s do Programa Soya Recicla.

Junte Óleo
Além dos Pontos de Entrega Voluntária de óleo, o Programa Soya Recicla possui pontos que fazem parte da Campanha Junte Óleo. O "Junte Óleo" recolhe, através do Ponto de troca, o óleo de cozinha usado da população e entrega sabão ecológico, criando uma rede de benefícios para todos. O óleo de cozinha usado é encaminhado para a usina de reciclagem do Instituto Triângulo.

Clique aqui e veja a localização dos Pontos de Troca da campanha Junte Óleo.

Soya Recicla em números
O óleo vegetal usado é transformado em sabão com 95% de biodegradabilidade ou em biocombustível, que tem reduzido poder de emissão de GEEs (gases de efeito estufa). O programa coletou, ainda, 36.000 garrafas PET, colaborando com a coleta deste outro resíduo sólido do consumo doméstico.

Em 2011, o Programa Soya Recicla coletou dos consumidores cerca de 300 toneladas de óleo vegetal de cozinha usado, 15% a mais do que no ano anterior, somando aproximadamente 1.000 toneladas desde que o programa teve início, em 2006.

Para 2012, a previsão é a de que a produção em escala de sabão terá início e que a rede de coleta, que incorpora condomínios, residências, comércios e feiras livres, entre outros, continue aumentando significativamente.

Veja também: www.triangulo.org.br

IPAS – Iniciativa Pró Alimento Sustentável
Logo Ipas

A IPAS (Iniciativa Pró Alimento Sustentável) tem como objetivo desenvolver projetos que tragam inovação e sustentabilidade aos sistemas agroindustriais brasileiros. Para tanto, busca adotar práticas rentáveis que unam a utilização responsável dos recursos naturais e a preocupação com aspectos sociais, do início da produção dos alimentos ao pós-consumo. Os projetos desenvolvidos pela iniciativa têm como foco sete objetivos, em áreas específicas:

1 – Gerar inovações a favor da sustentabilidade.
2 – Engajar cadeias completas – “do campo ao pós-consumo” – para a sustentabilidade.
3 – Pesquisar e educar o cidadão sobre o alimento sustentável.
4 – Promover e exigir dos associados e seus fornecedores práticas mínimas comuns alinhadas com princípios da sustentabilidade.
5 – Interagir com governos e organizações civis para promover práticas sustentáveis.
6 – Favorecer relacionamentos comerciais baseados em boas práticas.
7 – Tornar-se um fórum permanente de discussão e apoio nas tomadas de decisão dos associados IPAS sobre questões voltadas à sustentabilidade.

Por envolver questões de toda sua cadeia de valor, a Bunge Brasil possui representantes na IPAS, participando dos Grupos de Trabalho, promovendo workshops e divulgando suas iniciativas e projetos em Sustentabilidade.

Veja também: http://www.ipasbrasil.com.br

Soja Plus
Logo Plus

A Bunge Brasil, por meio de sua participação na ABIOVE (Associação Brasileira da Indústria de Óleos Vegetais), apoia o Programa Soja Plus.

Os objetivos do programa Soja Plus são:

  • Desenvolver um programa de gestão transparente e participativo da propriedade rural, em âmbito nacional, para atender às demandas de mercado por produtos sustentáveis;
  • Gerar um processo de melhoria gradativa e contínua dos aspectos ambientais, sociais e econômicos da produção a partir de uma melhor gestão da propriedade rural.

As ações que compõem o Programa Soja Plus são implementadas em estreita parceria com os produtores rurais, governos estaduais e municipais, sociedade civil, indústria e comércio, instituições de pesquisa, ensino e extensão.

O Soja Plus capacita gratuitamente o produtor rural distribuindo cartilhas e promovendo cursos sobre saúde e segurança no trabalho, adequação de construções rurais, novo código florestal, dias de campo em fazendas modelo e visitas técnicas para monitoramento de indicadores de desempenho.

Veja também: http://www.sojaplus.com.br

 

Conservation International

A Conservação Internacional (CI) é uma organização privada, sem fins lucrativos, dedicada à conservação e utilização sustentada da biodiversidade. A missão da CI é preservar a biodiversidade global e demonstrar que as sociedades humanas podem viver em harmonia com a natureza.

Fundada em 1987, em poucos anos a CI cresceu e se tornou uma das mais eficientes organizações ambientalistas do mundo. Atualmente, trabalha para preservar ecossistemas ameaçados de extinção em mais de trinta países distribuídos por quatro continentes.

A Bunge Brasil, sabendo da importância do Cerrado para conservação da Biodiversidade brasileira, foi parceira da CI em dois projetos relevantes, que tem como objetivo reduzir o desmatamento deste bioma e alavancar a recuperação de Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal, por meio de engajamento junto a produtores rurais.

Estes projetos são realizados em dois Corredores de Biodiversidade:
- Corredor Uruçuí-Mirador;
- Corredor Emas-Taquari.

Veja também em: www.conservation.org.br
EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária)

Há anos, a Bunge Brasil é parceira da EMBRAPA no fomento à pesquisa e à aplicação de melhores técnicas no setor do agronegócio brasileiro.

No período entre 2008 e 2011, o Programa de Fomento à Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF) recebeu R$2,5 milhões da Bunge.

ILPF

O iLPF tem como principais objetivos:

  • Produzir alimentos e energia renovável de madeira sustentável;
  • Diminuir impactos ambientais oriundos da atividade agrícola;
  • Preservar reservas florestais e matas ciliares;
  • Recuperar áreas degradadas, criando condições propícias para a produção e diminuindo a necessidade de desmatamentos de novas áreas;
  • Aumentar a produtividade das culturas e melhorar a eficiência dos insumos utilizados na produção;
  • Facilitar certificação e rastreabilidade dos produtos agrícolas;
  • Gerar empregos, renda e melhores condições ao produtor rural.


benefícios iPLF EMBRAPA

Com a parceria, foram editadas cerca de 20 publicações da Embrapa e implantadas Unidades de Referência Tecnológicas (URT) em todas as regiões e biomas brasileiros, com aproximadamente 3.000 hectares de demonstração dos diferentes sistemas do iLPF. Os resultados são benefícios econômicos e ambientais para produtores e sociedade, evitando impactos ambientais, principalmente em ambientes com diversidade restrita, como grandes áreas de monoculturas.

Mais informações sobre o sistema estão disponíveis em http://ilpf.cnpms.embrapa.br/.

A Bunge fechou uma nova parceria com a Embrapa e, a partir de 2012, estabelecerá novos projetos para a promoção da agricultura sustentável no País.

RTRS (Round Table for Responsible Soy)
Logo RTRS

A Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS, por sua sigla em inglês) é uma iniciativa internacional criada no ano 2006 que promove o uso e o crescimento da produção sustentável de soja, através do compromisso dos principais stakeholders da cadeia de valor da soja mediante um padrão global de produção responsável.

Todos os atores da cadeia de valor da soja ou da sociedade civil podem fazer parte da associação, sendo:

  • Produtores,
  • Indústria, Comércio e Finanças
  • Organizações da Sociedade Civil

Missão

Promover que a soja atual e futura seja produzida de maneira sustentável para diminuir os impactos sociais e ambientais, mantendo ou melhorando o nível econômico para o produtor.

Através de:

  • O desenvolvimento, a implementação e a verificação de um padrão global
  • O compromisso dos stakeholders envolvidos na cadeia de valor da soja

Visão

Que a soja contribua ao atendimento das necessidades sociais, ambientais e econômicas da geração atual, sem comprometer os recursos e o bem-estar das gerações futuras e permitindo a construção de um mundo melhor através do consenso e da ação conjunta.

A Bunge Brasil é Membro Participante do RTRS.

Veja também: http://www.responsiblesoy.org/

Certificações
Logo Bonsucro

A Bonsucro foi criada com objetivo de fornecer um mecanismo para alcançar a produção sustentável da cana-de-açúcar (e todos os seus produtos) em relação aos aspectos econômicos, sociais e ambientais da atividade.

O padrão incorpora um conjunto de Princípios, Critérios, Indicadores e Verificadores que serão usados para certificar os produtores de açúcar que atendam estas exigências e orienta as empresas que desejam adquirir matéria-prima sustentável / suprimentos, e também o setor financeiro na realização de investimentos sustentáveis.

Os princípios que norteiam o padrão são:

Princípio 1 – Cumprir a Lei
Princípio 2 – Respeitar os direitos humanos e trabalhistas
Princípio 3 – Gerenciar a eficiência dos insumos, da produção e do processamento para aumentar a sustentabilidade
Princípio 4 – Gerenciar ativamente a biodiversidade e ecossistemas
Princípio 5 - Melhorar continuamente as áreas chave do negócio

A Bunge Brasil possui um colaborador no Board da BonSucro e possui atuação ativa com relação ao tema. A área de Açúcar & Bioenergia da empresa já possui 3 Unidades certificadas, que são: Usina Moema, Usina Frutal e Usina Guariroba.

Veja também: http://www.bonsucro.com/


Logo 2BSVS

2BSvs (Biomass Biofuels Sustainability Voluntary Scheme)

O esquema voluntário de certificação 2BSvs tem como objetivo demonstrar, por meio de uma auditoria independente, o cumprimento dos critérios de sustentabilidade estabelecidos pela Diretiva Europeia 2009/28/CE, conhecida como RED – Renewable Energy Directive. Este padrão permite que os operadores econômicos reivindiquem que a biomassa utilizada como matéria-prima e os biocombustíveis produzidos sejam considerados sustentáveis, à luz da Diretiva Europeia.

O sistema voluntário define requisitos para os vários critérios que devem ser verificados:

  • A redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE) a partir da utilização de biocombustíveis sustentáveis ​​em comparação com o uso de combustível convencional.
  • A biomassa não deve vir de terras com alto valor em biodiversidade (florestas primárias, áreas protegidas e ecossistemas ricos em biodiversidade) ou de terras com elevado estoque de carbono (florestas, pântanos, turfeiras).
  • A biomassa deve respeitar as boas práticas agrícolas e ambientais.
  • A implementação de um sistema de balanço de massa para cada ponto logístico da cadeia,
  • A implementação de um sistema de controle para cada operador econômico (procedimentos documentados).

A Bunge Brasil já possui um Silo e um Escritório Portuário certificado na norma 2BSvs, localizados no Estado do Maranhão, para exportação de soja sustentável.

Veja também: http://en.2bsvs.org

The Nature Conservancy

A parceria entre a Bunge Brasil e a TNC (The Nature Conservancy), organização líder em conservação ambiental, tem o objetivo de promover a agricultura sustentável no país. Por meio dessa iniciativa, na qual a Bunge investirá US$ 4 milhões nos próximos cinco anos, seus fornecedores instalados em regiões consideradas ambientalmente sensíveis receberão apoio técnico da TNC para cumprir integralmente o Novo Código Florestal e adotar as melhores práticas sustentáveis de cultivo. Essa ação também contribuirá para a ampliação da capacidade dos governos de planejar e monitorar a ocupação do território, o que é essencial para a conservação ambiental.

A TNC é engajada com a produção de soja responsável desde 2004 e já obteve resultados como a redução do desmatamento ilegal a praticamente zero, nas regiões onde atuou com produtores rurais desta cultura. A Bunge, por sua vez, atua no agronegócio brasileiro desde 1905. “Essa parceria é prioritária para as duas organizações, pois possibilitará a conservação e o desenvolvimento sustentável ao longo de trechos importantes dos novos corredores de exportação. Em vista dos investimentos logísticos necessários para aumentar a capacidade brasileira de produção e escoamento de alimentos, é imprescindível uma atuação responsável e em linha com as novas diretrizes da legislação ambiental.”, diz Martus Tavares, vice-presidente de Relações Institucionais, Comunicação & Sustentabilidade da Bunge Brasil.

Contexto

A demanda mundial por alimentos é crescente. A previsão é de que será necessário dobrar a produção para garantir alimentos à população estimada para 2050. A cultura da soja é a base da alimentação animal (principalmente bovinos, suinos e aves) no hemisfério norte, por isso é essencial que o seu cultivo siga as melhores práticas de produção. Uma das medidas mais importantes para promover o crescimento ambientalmente responsável da agricultura é aumentar o volume da produção de alimentos sobre áreas já abertas. Iniciativas como a Moratória da Soja, estabelecida em julho de 2006, contribuíram para que o desmatamento represente hoje um sexto da taxa registrada há uma década. O reforço no monitoramento gerou informações que contribuíram para implantar restrições comerciais voluntárias e melhorias da governança na região do Bioma Amazônico.

Atualmente, investimentos logísticos estão sendo realizados a fim de aprimorar o sistema de escoamento da produção agrícola brasileira e atender aos mercados de forma sustentável, desafogando os corredores aos portos do sudeste do país. É mandatório que tais investimentos sejam acompanhados de cuidados com o meio ambiente promovam boas práticas junto aos agricultores que abastecem o mercado e que atuam em regiões sensíveis ambientalmente. A Bunge acredita que uma das melhores ferramentas para tanto será a implementação do Novo Código Florestal e o mapeamento de áreas já abertas com potencial de melhoria na produção agrícola, para que as necessidades de expansão aconteçam em bases conservacionistas.